Bolsonaro recuou. Por quê?

É a primeira vez que o Capitão bate em retirada. O discurso "colcha de retalhos" mostrou que essa manobra é nova para ele. Todos esperavam um novo pronunciamento em rede nacional exaltando o Golpe de 64 e avançando na sua aposta contra o coronavírus. Ele surpreendeu o Brasil.

Em pronunciamento, Bolsonaro baixa o tom e distorce fala do diretor da OMS

Afirmou que se preocupa com vidas e com a economia, disse que não existe comprovação científica para a hidroxocloroquina e procurou capitalizar a ações do governo em tom de esperança para depois da pandemia. Valorizou os profissionais de saúde.

Falou sobre os 600 reais por mês para trabalhadores informais e para os mais pobres, crédito para as microempresas, congelamento dos preços dos remédios por 60 dias e deu ênfase aos repasses de verbas para os governos estaduais.

Por que fez isso? Seu isolamento chegou a um nível insuportável. Vinha perdendo apoio popular. Moro desapareceu. A aprovação de Mandetta explodiu. Até Guedes disse que preferia ficar em casa.


Nestes momentos, para avançar e radicalizar é preciso contar as divisões. Circulou que nos últimos dias ele procurou desesperadamente por apoio no meio militar para sua aventura, sem sucesso.

Tudo indica que o texto de Villas Bôas, interpretado como uma demonstração de apoio, foi um recado. Na política, quem está forte não precisa de nota de apoio. A nota do general, hoje, ficou clara: "estamos com você, mas não conte conosco para qualquer maluquice". Só restou o recuo.

O tuíte efusivo de Mourão saudando o Golpe de 64 pode ter pressionado também Bolsonaro. O vice lembrou às forças armadas e à extrema-direita que todos continuariam no poder com ele. O Capitão sentiu o risco de estar se tornando descartável.

O presidente fez seu discurso mais equilibrado desde o começo da crise. Deu um verdadeiro "cavalo de pau". Se reposicionou no jogo, claramente. A presença de Carluxo no Planalto teve um resultado inesperado.

Tem gente do campo progressista comemorando. Recuo é sempre derrota, claro. E pode ajudar a salvar vidas, o mais importante. Mas o acerto do adversário, que se movimentou percebendo o risco do abismo, é motivo pra festa?

Como se diz no mercado, o Capitão resolveu realizar o prejuízo e pular fora antes que quebrasse.

Últimas notícias da pandemia de covid-19

Leia outras colunas de Ricardo Cappelli

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!