Arrabalde, tá ligado?

Revirando meus arquivos, achei esta peça inédita, a escrevi em 2006/2007. Não sei se valeria a pena encená-la. Na época, mostrei pra minha amiga Fernanda D'Umbra e ela me disse que faltava ação, movimento. Penso que Fernanda está certa. Mas, a título de curiosidade, achei que valia a pena publicá-la no Congresso em Foco, pois foi daqui que saiu uma boa parte do Monólogo da Velha Apresentadora, que foi encenada três anos depois – tendo o saudoso Alberto Guzik como protagonista.

Primeiro Ato

Duas bundas empinadas para a platéia. Bermudões arriados,usam bonés com as abas viradas para trás. Claro,são dois manos.
Nota: A partir do Segundo Ato, os versos geniais da Bunda 2 (ou
Mc Asshole) serão acompanhados de coreografia. Isto é; toda vez que ele declamar seus versos os demais personagens irão acompanhá-lo. Inclusive a apresentadora de Tevê.

Bunda 1: Maior liga,mano. Neguinho tem mesmo que pôr “os” dedo nas “ferida”, e barbarizar. As madame vão ter que lavar as roupa suja, tá ligado? A perifa é o centro,mano! Viu os pleiba se fudendo? Na ZS quem passa recibo acorda com a boca cheia de formiga... (rap ao fundo)... agora os playba vão conhecer a verdadeira verdade.

Bunda 2: Tô ligado! Sou poeta, tento e invento um sentimento/ a minha existência é só o momento (ambos rebolam). rap: Uuhuuu!

Black out.
Luz incide sobre outras bundas

Duas bundas empinadas.Bunda 3 e Bunda 4. Um antropólogo e o outro uma espécie de ajudante-executivo (roupas devidamente arriadas- bundinhas empinadas). Ouve-se alguma música do Chico Buarque “político”.

Bunda 3: Instigante sua postura, Gui! Confira a agenda, por gentileza : quarta-feira gravação no Jornal da Gazeta,o tema é preconceito e a questão das cotas,confere?

Bunda 4: Preconceito e cotas,confere. E na sexta, o que vai rolar?

Bunda 3: Você é quem organiza essa maldita agenda. Pode?

Bunda 4: Aiiiiiii que estresse... pera aí, ah: sexta-feira tem o programa da Adriane Galisteu, acho essa perua cafonérrima.

Bunda 3: Você não está aqui para achar ou deixar de achar. Esqueceu? Temos que buscar uma sintonia, conciliar os pólos. Ir lá atrás, pesquisar a fundo Mário de Andrade... Ir ao âmago ....

Bunda 4: Uiiiii, ao âmago! Lá atrás! Bem fundo! Arrasou!

Bunda 3: Depois da Adriane, vamos ao Jardim Paraisópolis ... ou Fasano, Guii?

Bunda 4: Fasano,Mona! Outra vez!

Bunda 4 e Bunda 3: Ai,que pobreza. (ambos falam ao mesmo tempo, e rebolam os bundões... canção do Chico até a penumbra completa )

Black Out.
Agora a luz incide sobre as Bundas 1 e 2.

Bunda 2: Minha existência eu mesmo invento/ Sou um poeta do sentimento /Tento e invento/ o movimento.

Bunda 1: Da hora, mano. As grade nunca vão prendê nossos pensamento (incisivo). Foi o Mano Brown que disse essas palavra, lá na Sé. Depois os nóia quebraram tudo. Nóis tem que chegar pra definir,tá ligado?

Luz no palco todo.
Bundas 1 e 2, e Bundas 3 e 4 lado a lado (todas escancarando os respectivos cus para a platéia)

Bunda 4 (grita): Um Luxo! Mano Brown é um luxo!

Bunda 1: Ô mano,quem são esses treta?

Bunda 4: Aiii, gente . A gravação vai começar daqui a dois minutos. Vocês já passaram no camarim? Uma base! Não quero ver reflexo... Cadê o Pó de arrroz,geeeeente?

Bunda 4 passa pó de arroz na Bunda 3, que passa pó de arroz da Bunda 2. Bunda 2 passa o Pó de Arroz na Bunda 1.

Bunda 2: Tento e invento/ Sou movimento / Minha existência/ é o momento....

Bunda 3: Gui! Guiiiii ! Por favor: Fala pro cavalheiro ao lado segurar a onda!

Bunda 4: O seu momento é daqui a dois minutos, gato. Passa mais Pó de Arroz, quem brilha é você não é o suor! E segura a onda,por favor! Um time! Dois minutinhos, mais um pouquinho e a gente entra e arrasa!

Bunda 2: Tento e invento/o sentimento / sou poeta do movimento

Bunda 1: Firmeza,truta. Agora é nóis! A faculdade da vida é mil grau ... os filhodamamãe num sabe o que é um Mc ... num sabe a diferença de um Thaíde prum Mano Brown ... nóis é a voz dos preto e dos pobre. Hip Hop é sabedoria... cultura das rua, das esquina, das puta, dos gueto. Hip Hop não é só um estilo de música,tá ligado?

Bunda 2: Tento e invento/ o meu momento...minha existência/ meu sentimento

Bunda 3: Tô ligado sim,criatura (irritado). Vocês são o máximo!

Bunda 1: Nóis vivemo os conflito, tá ligado? Nossa poesia fala da violência vivida pelas classes menos favorecida da sociedade. Tem mais pó de arroz aí, truta?

Bunda 4: Pó de arroz ... saiiindo!

Bunda 2 passa o pó de arroz na Bunda 1, que logo emenda seus versos:

Bunda 2: O nosso momento / é violento/ O sentimento eu mesmo invento.

Bunda 4: Vamos repassar o texto, Mona? Quero tudo bem decoradinho,vou lhe tomar, hein! Vamos lá,vamos lá. O que o estilo Hip Hop mostra ao Brasil?

Bunda 3 (obediente como se tivesse decorado uma tabuada): No Brasil, o Hip Hop mostra a realidade dos jovens negros e pobres de cidades grandes, como Rio de Janeiro e São Paulo, cantada (rap), dançada (street dance) e pintada (grafite). Numa forma de discussão e protesto que envolve o preconceito racial e a miséria dessa população discriminada, ignorada e excluída. O Hip-Hop é o grito que pede para ser ouvido...

Bunda 2 (interrompe): Tento e invento/ o movimento / a minha existência Uhhuuu!

Bunda 3: O grito (enfatiza a palavra “grito”) que pede para ser ouvido (repete contrariado): Que pede para ser ouvido ... a fim de modificar a vida dos jovens. Que tal,Guiii? Por favor,passa um pouquinho mais de Pó-de-Arroz.... Vai dar reflexo!

Bunda 1: Hoje em dia os rappers de verdade ...tipo nóis mesmo...

Bunda 2: Nóis mesmo,firmeza! A minha existência / eu mesmo invento/ O sentimento UhuuuUhhuu!

Bunda 4: Geeente! A gravação vai atrasar! Assaltaram a empregada da Hebe!

Black Out

Clique aqui para continuar lendo a peça

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!