Amor, agora é de graça

Antes de qualquer coisa, apenas para que você saiba, na legislatura passada, os nobres parlamentares brasileiros gastaram mais de R$ 750 milhões apenas com a CEAP, a generosa fonte de dinheiro disponível para que os deputados federais custeiem as despesas geradas pelo trabalho parlamentar. Com este valor seria suficiente construir, por exemplo, 11 mil casas populares ou 40 hospitais com cem leitos cada.

Mas como a maioria daqueles que nos “representam” na Câmara não se importa com a ética e com a moral, ao invés de diminuírem o valor desta cota mensal, que está mais do que comprovado ser mal utilizada e ineficazmente fiscalizada, os excelentíssimos senhores de paletó e gravata agora poderão trazer suas esposas para passear em Brasília às nossas custas, assim como as deputadas poderão trazer seus maridos.

O excelentíssimo Sr. Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, disse que não haverá aumento nas despesas porque ele vai cortar gastos em outros setores da casa.

- E por que não apenas cortar gastos?

Irresponsabilidade

O ato de aumentar esta despesa e de permitir a emissão de passagens aéreas aos cônjuges, principalmente neste momento em que o país atravessa uma crise financeira e institucional que não há o menor sinal que se acabarem, é lamentável e irresponsável.

Vale lembrar que ao decidirem tentar uma vaga na Câmara, todos os candidatos sabiam que precisariam ficar fora de casa por alguns dias da semana, caso fossem eleitos. Se não aguentam ficar longe de seus cônjuges, então que renunciem ao mandato e voltem para casa!

E o pior de tudo é saber que esta decisão inconsequente e perigosa veio de um chá oferecido por algumas esposas de parlamentares que disseram ao político Eduardo Cunha, ainda como possível sucessor do então presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves, que sentiam muita falta de seus maridos e que desejavam poder viajar à Brasília para ficarem perto de seus amados. Cunha prometeu que, sendo eleito presidente da casa, autorizaria a emissão de passagens aéreas às senhoras. E ele cumpriu a promessa.

Porém, esta atitude somada a tantos escândalos políticos e de corrupção, podem gerar problemas tão sérios que talvez a história do Brasil de 1964 seja novamente escrita.

15 de março

Dia 15 de março está marcada uma manifestação gigante a favor do Impeachment da Dilma Rousseff e esta lastimável atitude de Cunha apenas adiciona mais pólvora a este paiol. E para que os caciques das forças armadas retirem suas tropas dos quartéis e juntem-se ao povo na rua, basta que um pavio seja acesso. E, digo: tem muita gente com fósforos na mão.

Este não é só um desabafo deste gordo que ainda acredita num Brasil mais digno. É também uma oportunidade de fazermos alguma pressão na presidência da Câmara para que esta decisão seja revista. Há indícios de que isso pode acontecer, mas é preciso que participemos.

Caso queira, envie um e-mail, ou poste na página do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, a sua indignação. O texto abaixo pode ser utilizado para este fim. Apenas substitua o "Fulano de Tal" pelo seu nome.

"Exmo. Sr. Presidente da Câmara Federal

M.D. Deputado Eduardo Cunha

É com profundo pesar que fiquei sabendo de Vossa decisão em reajustar os valores do "Cotão". No ano passado mais de R$ 700 milhões foram gastos no Congresso Nacional apenas com este tipo de verba.

Sei que V.Ex. defenderá a CEAP com unhas e dentes, mas digo ao senhor, como cidadão brasileiro e pagador de impostos que sou, que a CEAP deve urgentemente ser revista.

Não há uma eficiente fiscalização desta casa sobre os gastos, notas e recibos apresentados por vocês parlamentares e em decorrência disso, muitos absurdos são encontrados por quem, assim como eu, fiscaliza os gastos públicos de maneira voluntária.

Aumentar o valor da verba vai contra tudo o que se espera neste momento dos gestores públicos. O país está vivendo um arrocho financeiro como há muito não se via.

A Câmara Federal, como o símbolo maior da representatividade da sociedade brasileira, deveria dar bons exemplos. Mas ao contrário disso, V.Ex., além de aumentar a despesa, ainda cria mais um benefício que está sendo criticado por toda a nação brasileira. Nenhuma esposa ou marido precisa viajar para Brasília para que um deputado ou deputada cumpram o seu dever enquanto parlamentar.

A tentativa de amenizar o impacto na opinião pública ao dizer que cortará gastos em outros setores para compensar os aumentos anunciados, apenas contribui para fermentar ainda mais o nosso descontentamento.

Afinal, por que não apenas baixar custos?

Esta vossa decisão vai gerar um desgaste ainda maior a esta casa que deveria ser orgulho de nós, brasileiros, mas que até agora tem sido a nossa vergonha.

Fulano de Tal

Cidadão Brasileiro"

Mais sobre verbas e cotas

Mais sobre a farra das passagens

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!