Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

A novidade foi a participação brilhante e inconfundível do Jefferson

Com as campanhas políticas correndo frouxas, cada um dos interessados em mandatos eletivos faz de tudo para aparecer aos eleitores. Os cabos eleitorais e líderes de currais já oferecem votos a preços de liquidação. Não será difícil, com a falta de grana, que o “black Friday” seja a novidade para adquirir uns votinhos que possam levar o pré-candidato ao poder. Não será fácil, mas, pelo menos, é uma novidade. É visível ainda a busca dos eleitores que têm fé em Deus e podem tornar o mundo melhor com as bênçãos divinas.

Felizmente, o Poder Judiciário já constatou a quebra dos compromissos partidários e está impedindo publicidade gratuita levadas ao ar por pretensos candidatos que não renovam nada, só destacam as suas atuações ou os defeitos dos adversários.

De novo mesmo  é o renascimento do trabalhismo com a propaganda partidária do Partido dos Trabalhadores; não o partido do Lula, devastado pelas descobertas de liderar falcatruas. Não, a propaganda é do Partido Trabalhista Brasileiro. E a novidade foi a participação brilhante e inconfundível do Jefferson. Não o americano ou o goleiro, e sim, Roberto Jefferson, político de discurso firme, didático, e com profundo conhecimento da realidade brasileira.

Roberto Jefferson, desde a juventude, se destacou pela desenvoltura e liderança em qualquer campo de atuação de que participou. Inteligente, culto, amigo incondicional, sem dificuldades financeiras e, acima de tudo, um nacionalista.

Com o seu discurso implacável, desnudou a corrupção do sistema político nacional e cumpriu, sem reclamar, as penas a que foi condenado por ter se envolvido nas malhas das tramoias do trabalhador que nos enganou durante tantos anos. Enquanto condenado, manteve-se à distância da mídia, enfrentou um câncer, espancou o seu saco de treino com vigor, e saiu da cadeia como entrou, de cabeça erguida, como se tivesse sido defendido por ele mesmo, hábil criminalista.

Quando decidiu avisar ao presidente as trapaças de seus mais íntimos auxiliares, o fez com fidelidade e transparência. Lula fingiu não acreditar que por trás de uma ninharia recebida por um indicado de Roberto que, afinal, desbaratou a quadrilha que comandava o país com várias ramificações e, até hoje, sem fim.

A fala de Jefferson no programa partidário não descambou para mostrar defeitos. Tratou do passado como tempos idos que não devem voltar mais e propôs soluções práticas que podem ser aplicadas ainda no governo Temer. Todos reconhecem a necessidade da reforma trabalhista, da reforma da previdência e da volta da probidade administrativa em todos os setores.

Os salários abusivos, os penduricalhos, os privilégios, o foro especial para autoridades, a matança de inocentes, de criminosos e de policiais, o abandono das crianças e da juventude, a violência rural praticada por facções armadas, as milícias, as prisões medievais, as discussões fratricidas sobre gêneros, raças, sexos, limites, assédios, e tudo o mais que não deveriam ser tratados de forma tão grosseira e desleal, mas que aí estão, diariamente, acabando com reputações, levando inocentes ao suicídio e deixando de lado as verdadeiras mudanças de que o país necessita.

Roberto Jefferson, em áudio divulgado nas redes sociais, enfrenta o senador Roberto Requião que, na senectude, mas com discurso juvenil, tenta se manter visível, mas não transparente.

Jefferson tem sucessora na vida pública; pois sua filha, deputada Cristiane Brasil, distante das facilidades do poder, segue a carreira que seu pai não concluiu, atingido que foi pelas denúncias que fez.

O que há de novo? Quase nada, e Jefferson não deve ser candidato a nada, mas prestou, novamente, um grande serviço aos brasileiros; sem papas na língua.

<< Do mesmo autor: Torquato tem razão – tolerância zero ou o caos

Continuar lendo