A cegueira da violência – Repressão policial no Brasil sob Temer

Independente​mente​ da origem​,​ todo governo busca a simpatia popular e a conquista da hegemonia política, inclusive aqueles oriundo de golpes militares ou parlamentares. Os oriundos de golpes​,​ na impossibilidade de ser​em​ popular​es​ ou de construir a hegemonia pela simpatia com suas ideias e ideais, no geral, lançam mão da violência.

Acham que​,​ por meio da violência​,​ conseguem construir respeito e hegemonia politica. O que acabam conseguindo é construir medo, desrespeito aos direitos humanos e civis e desesperança. Algumas ditaduras conseguem construir o sil​êncio e a paz dos cemitérios.

No Brasil, da interinidade ​à efetivação do golpe​,​ assistimos ​ao crescimento da violência de Estado contra os direitos dos cidadãos e cidadãs, seja violência física, psicológica ou institucional. A última semana foi prodígio em acontecimentos violentos. Os donos do golpe se sentiram ​à vontade para bater, humilhar, prender e ameaçar.

Assustador que es​s​e crescimento da violência se dê acompanhado por apoio, até agora incondicional​,​ de parte da mídia (Rede Globo, Época, Veja, Folha de S.Paulo, Estadão...) e de setores da população.

Nos últimos dias, quando não de​ram​ apoio explicito ​à​ violência, como ​fez ​a Folha de S​.Paulo​,​ ​ou não noticiar​am​ os fatos ​ou não ​os ​conden​aram​.

Há apoio de parte da população, entre os quais muitos ignorantes e idiotas, por desconhecimento da História do Brasil​,​ e​ por não pensar sobre o futuro em que ele mesmo, seus filhos e netos viverão e poderão​,​ direta ou indiretamente​,​ ser v​í​timas dessa mesma violência.

Há setores da população que apoiam porque t​ê​m ganhos políticos diretos​. E​sses são os fascistas. Na concepção de mundo deles​,​ não há lugar para quem pensa diferente. Não toleram o diferente, por isso agem com violência contra quem pensa diferentemente – sem imaginar que​,​ na próxima geração​,​ ele poderá ter netos ou netas pedindo democracia e condenando toda e qualquer ditadura. Condenando inclusive o fascismo, como ocorre agora na vizinha Argentina.

Há muitas manifestações na internet de fascistas ou idiotas apoiando a violência. Entre todas​,​ registro a de Tatiana Pignatari​,​ que escreveu: “Jovem que estava na manifestação perdeu a vista esquerda e foi curada do comunismo, agora só enxerga com a dire​i​ta! Se foi a PM, agradeço pela conversão e pelo trabalho prestado”.

Ela fez essa postagem após tomar conhecimento ​de ​que a universitária Deborah Fabri ficou cega do olho esquerdo após agressão policial. Tatiana: conhece aquela ​frase “não deseje aos outros aquilo que não queres para ti​”​?

Os idiotas e os fascistas são cegados pela desinformação e pelo ódio. Cegos permitem e constroem a violência ​da qual um dia poderão vir a ser v​í​timas. Vítimas da própria condição de idiotas ou de fascistas.

No pronunciamento do dia 31 passado​,​ o ocupante da Presidência da República Federativa do Brasil disse​:​ “Meu único interesse – e que encaro como questão de honra – é entregar ao meu sucessor um país reconciliado, pacificado e em ritmo de crescimento. Um país que dê orgulho aos seus cidadãos”. Na esteira desse pronunciamento, a golpista Fiesp acha que “é hora de todos juntos reconstruirmos o país”. Ora, pacificação e reconstrução não se fazem no porrete, mas na democracia.

Sou obrigado a perguntar aos construtores (Rede Globo, Veja, Época, Estadão, Folha, juiz Sérgio Moro, Rodrigo Janot​)​​,​ direta ou indiretamente​,​ da violência​,​ o que farão para inibi-la e punir os violentos que agem em nome das instituições que vocês ajudaram a violentar? Janot, não cabe identificar na internet e na mídia os que estimulam e se regozijam com a violência e puni-los de acordo com a lei?

Essas perguntas são necessárias, pois enquanto havia democracia​,​ milhões de pessoas de uniforme (verde e amarelo) da corrupta CBF foram às ruas e o governo de Dilma jamais mandou qualquer policia (estadual) militar atacar.

Alguém acha que pode dar certo um país governado só por homens brancos, moralmente questionáveis e juridicamente investigados?

Mais sobre o Brasil nas ruas

Mais sobre violência

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!