A campanha presidencial do “contra tudo que está aí”

As eleições gerais de 2018, realizadas num clima de conflagração e de forte rejeição ao sistema político e a suas práticas, foram atípicas e se deram num ambiente de renovação, com elevada intolerância contra os agentes públicos em geral. Polarizada entre Jair Bolsonaro, do PSL, e Fernando Haddad, do PT, a eleição presidencial foi decidida em segundo turno com a vitória do candidato do PSL.

O primeiro turno apresentou ao eleitor 13 opções de candidaturas – Jair Bolsonaro (PSL), Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Henrique Meirelles (MDB), Alvaro Dias (Podemos), Marina Silva (Rede), João Amoêdo (Novo), Cabo Daciolo (Patriota), Guilherme Boulos (PSol), João Goulart Filho (PPL), José Maria Eymael (DC) e Vera Lúcia (PSTU). O segundo turno foi disputado pelos candidatos do PSL e do PT, tendo sido vencido por Jair Bolsonaro com 57.979.466 (55,13%) votos contra 47.040.859 (44,87%) dos votos destinados a Fernando Haddad.

Os resultados da apuração de votos das eleições 2018

Resultado do primeiro turno da eleição presidencial

Candidato

Partido/Coligação

Votos % dos votos válidos
Jair Bolsonaro PLS e PRTB 49.277.010 46,03
Fernando Haddad PT, PCdoB e Pros 31.342.051 29,28
Ciro Gomes PDT e Avante 13.344.371 12,47
Geraldo Alckmin PSDB, PTB, PP, PR, DEM, SD, PPS, PRB e PSD 5.096.350 4,76
João Amoêdo Novo 2.679.745 2,50
Cabo Daciolo Patriota 1.348.323 1,26
Henrique Meirelles MDB e PHS 1.288.950 1,20
Marina Silva Rede e PV 1.069.578 1,00
Alvaro Dias Podemos, PRP e PSC 859.601 0,80
Guilherme Boulos PSol e PCB 617.122 0,58
Vera Lúcia PSTU 55.762 0,05
José Maria Eymael DC 41.710 0,04
João Goulart Filho PPL 30.176 0,03

 

Três fatos políticos tiveram influência no resultado da eleição presidencial: a) o ativismo do Judiciário e do Ministério Público, especialmente na tentativa de criminalização do PT; b) a prisão de Lula, que seria o candidato do PT e teve que ser substituído por Fernando Haddad; e c) a facada no candidato Bolsonaro, que ficou impedido de participar de quase toda a campanha.

Esses episódios ou circunstâncias políticas facilitaram a estratégia de campanha de Bolsonaro, que consistia mais em apontar supostos erros dos governos anteriores, especialmente do PT, do que apresentar alternativas. De um lado, o ativismo judicial e a prisão de Lula favoreciam seu discurso. Do outro, ficar fisicamente fora da campanha, em certa medida, o blindou das inconsistências de suas “propostas”, além de não impedi-lo – mesmo quando estava num quarto de hospital – de falar ao vivo com seus potenciais eleitores via redes sociais.

O candidato vencedor centrou sua campanha na desqualificação do sistema político e de suas instituições. Teve como principal alvo as esquerdas e as políticas públicas em favor das minorias, como as cotas e os benefícios aos quilombolas e aos presidiários (auxilio-reclusão), responsabilizando-os por tudo de mau que aconteceu no país. Foi o candidato antissistema.

Seu método de campanha consistiu em identificar problemas que incomodam a todos; apontar os governos anteriores, especialmente os do PT, como supostos culpados por esses problemas; e prometer punição ao culpados, mas sem apresentar uma solução para tais problemas.

A tática do ataque, em substituição à apresentação de programa, foi eficaz porque atingiu em cheio os três principais grupos de eleitores: os bolsonaristas, os desalentados e os petistas. Mobilizava os dois primeiros em seu favor, além de atrair o terceiro grupo para a briga, deixando a disputa na arena que lhe era mais favorável.

A estratégia encontrou ambiente fértil. Uma enorme crise fiscal do Estado, um excesso de demandas da sociedade, o aumento do desemprego, da criminalidade e da violência, uma população desalentada e com medo, e, acima de tudo, a facilidade para disseminar um discurso que aponta os supostos responsáveis por tudo isso: o sistema político e os partidos que tinham sido governo nos últimos 20 anos.

O discurso “contra tudo que está ai”, sem dizer o que pretendia colocar no lugar, funcionou para o candidato vencedor em duas dimensões. Em primeiro lugar, porque havia coincidência de diagnóstico com a maioria da população – insatisfeita com a insuficiência e má qualidade dos serviços públicos, com a criminalidade, a corrupção, o desemprego e a violência. Em segundo lugar, porque “saciava” o desejo de vingança de parcela significativa da população em relação aos supostos culpados por esse estado de coisas.

Eleitoralmente funcionou, mas há serias dúvidas se vai funcionar no governo. A população, desde as jornadas de junho de 2013, não está mais disposta a aceitar como éticas, legitimas ou sustentáveis políticas governamentais que punam ou ignorem suas demandas por melhores condições de vida. Se não tiver suas expectativas atendidas, a população vai se sentir traída e vai reagir, acusando o governo de estelionato eleitoral, com possíveis manifestações públicas e protestos.

Do mesmo autor: 

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro

Os desafios do presidente eleito no Congresso, na economia e na sociedade

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!