Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

A cada dia uma agonia

O carro, com vidros escuros, entrou pela garagem para garantir o sigilo do procedimento. Foram recebidos por uma policial gentil e armada até os dentes. Na sala, em uma mesa oval já estavam os procuradores, e policiais federais com os rostos encobertos. Eram dois os delatores presos após serem flagrados conversando na frente de um gravador sofisticado suficiente para colher a mais estranha prova já feita por algum marginal contra si mesmo.

Em seguida, chegou à sala um terceiro preso acompanhado do seu advogado. O procurador indagou dos que chegaram antes quem eram os seus advogados. Um deles respondeu que haviam renunciado por não terem recebido os vultosos honorários contratados. Afirmou que dispensava a companhia de advogados com o que concordou o outro preso.

O terceiro preso usava um suéter amarelo-ovo sobre os ombros e parecia assustado; diferentemente dos outros dois que apresentavam ar de deboche.

O delegado determinou que fossem usadas algemas nos debochados por considerá-los de alta periculosidade. O advogado do assustado requereu que constasse do depoimento o seu protesto, apesar de o seu cliente estar com as mãos livres. O procurador concordou determinando a inclusão do protesto.

­

Após as anotações de praxe, disse o procurador: Passo a palavra para o delegado que possui experiência e habilidade em oitivas de criminosos contumazes.

- Como foi que os senhores gravaram as conversas hoje divulgadas pela imprensa e confirmadas pela Corte Suprema?

- Doutor, estas gravações foram feitas de sacanagem para complicar ainda mais as investigações, sem fim e sem cabo, que os senhores decidiram apurar sobre os tantos crimes praticados por nós e grande parte dos políticos. Nós somos o braço desarmado de uma estrutura empresarial construída para recolher recursos para a grande revolução bolivariana em andamento na America Latina e África. Nestes poucos anos conseguimos bilhões de dólares usando os mesmos métodos da direita corrupta e, até bomba de hidrogênio já encomendamos ao tal do Kim, disse rindo.

- Com licença, doutor, falou o outro debochado: Este negócio de complicar é a nossa atividade principal, aos outros resta ficar dizendo que são inocentes e que não possuem contas secretas no exterior. Ora, os bancos das ditaduras estão abarrotados de dinheiro público, tanto em nome do nosso complexo empresarial como no nome pessoal de cada um dos outros acusados ou investigados. Se os senhores forem a fundo no seu trabalho, o fundo do poço aparecerá no Japão. E soltou uma gargalhada. Foi repreendido pelo procurador.

- E o senhor, disse o delegado dirigindo-se ao preso de suéter amarelo-ovo. – O que tem a dizer sobre os fatos aqui investigados.

O homem assustado ficou lívido e, gaguejando, respondeu: Eu não sei de nada. – Como não sabe de nada. O senhor foi flagrado com uma mala cheia de dinheiro proveniente de corrupção. – Não senhor, há um engano. Eu traí o meu bom amigo por uma causa justa. Nosso grupo tomou conhecimento da organização de extrema-esquerda que se formava para tomar o poder. Meu amigo de nada sabia, igual ao líder do outro lado, que também nada sabe e nada possuí. Decidimos, então, recolher recursos para enfrentar a revolução em andamento. Nossos recursos não estão no exterior e nem em nome pessoal de cada colaborador. Estão guardados em apartamentos, debaixo de piscinas, contêineres, forros de casas, entre outros lugares difíceis de serem localizados. Por exemplo, os dólares entregues à Justiça pelo diretor da estatal, lá no início, eram para garantir a sobrevivência dos nossos em caso de insucesso do plano.

Por outro lado, nos dias em que fiquei preso, ouvi de um colega de cela que este negócio de traição é muito constrangedor e contou-me o seu caso pessoal. "Dia desses recebi um zap da minha esposa que dizia: 'Bem, hoje aconteceu um imprevisto comigo. Encontrei com o Genival, aquele colega de faculdade. Deprimida, chorei muito e fui consolada numa suíte daquele motel onde passamos a nossa primeira noite. Tantos anos! Que saudade!'

O colega continuou... "Eu respondi: comigo também aconteceu um imprevisto. Enquanto eu estava aqui, confiando em sua fidelidade, recebo para minha companhia uns babacas que choram, resmungam e pedem para ficar em prisão domiciliar. Quando eu sair daqui depois de cumprir os meus primeiros 150 anos de cadeia, espero não encontrar você na portaria!"

O procurador pediu a prisão imediata dos três, e suspendeu a audiência para ouvir o “Italiano” que chegava cheio de informações sobre o chefe da quadrilha.

<< Os sobreviventes – os homens de um presidente que sobrevive

<< Queridos filhos Rodrigo e Gilmar

<< Leia também outros artigos de Paulo Castelo Branco

Continuar lendo