Fama do pai foi fundamental, admite Ratinho Júnior

Edson Sardinha


Aos 29 anos, Ratinho Júnior (PSC-PR) é o mais jovem entre os líderes partidários na Câmara. Os 358.924 votos recebidos pelo líder do PSC em outubro garantiram a ele o posto de deputado mais bem votado da bancada do Paraná e a convicção de que já pode caminhar com pernas próximas neste seu segundo mandato consecutivo na Câmara. Antes, ele havia sido deputado estadual.


Para ele, a fama do pai foi fundamental para sua primeira eleição. ?Nas outras duas, a população viu minha maneira de trabalhar e reconheceu o nosso jeito de atuar. Há casos de filhos de famosos que não conseguiram se reeleger porque não mostraram a que vieram?, avalia o deputado.


?Essa ligação existe e continua sendo importante. Mas construímos um projeto. Quando assumi a presidência do PSC no Paraná, o partido não tinha nenhuma prefeitura. Hoje tem seis prefeitos, 12 vices, quatro federais e três estaduais. Passamos de 31 para 135 vereadores. Foi o partido que mais cresceu no Paraná, não é um crescimento pessoal?, comemora o líder do PSC.


Pouca gente se lembra, mas Carlos Massa, o Ratinho, foi deputado federal entre 1990 e 1994 pelo PRN, partido do ex-presidente Fernando Collor de Mello. Ratinho Júnior reconhece que o mandato do pai foi discreto. ?Meu pai tem vocação muito mais para a comunicação do que para a política, por ele ser muito empreendedor. No Legislativo depende muito de relacionamento. Ele tem um perfil mais de executivo. Teve passagem discreta pela Câmara. Na comunicação ele acabou acontecendo?, considera.


Ratinho Júnior conta que faz rádio desde os 13 anos, quando começou como sonoplasta. Aos 16, assumiu o microfone. Hoje apresenta um programa diário das 6h às 8h, com notícias e participação dos ouvintes, na rádio da família. ?Mas não faço política no rádio?, afirma.


O líder do PSC avalia que há apenas dois caminhos para um jovem chegar à Câmara atualmente: pela linha familiar, como a trajetória dele ? combinada pela comunicação com a política ? e pela defesa de determinada categoria ? o que tem sido cada vez mais raro. Ratinho Júnior não esconde que sonha em subir degraus mais altos na política. ?Quando entrei na política, brincava que não queria ser só deputado. E tenho trabalhado para isso. Mas essa minha vontade depende mais da população. Estou me preparando para tudo, não quero decepcionar?, diz o deputado.


Leia:

Sem renovação: jovens são parentes de políticos

"Brincam que sou o Luan Santana da política" 

Efraim Filho: sobrenome facilita, mas eleva pressão 

Manuela quer jovens incluídos na reforma política

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!