CPI do Cachoeira, Código Florestal e MPs movimentam Congresso

Parlamentares tentam conciliar pauta de votações com CPI que vai investigar as relações de bicheiro preso com o senador Demóstenes Torres e outros políticos e empresários

Parlamentares terão uma semana de polêmicas, dentro e fora do plenário, depois dos protestos políticos em diversas cidades do país, por ocasião das celebrações do 21 de abril – quando o dia ensolarado do 52º aniversário de Brasília teve o contraste, na Esplanada dos Ministérios, das camisas pretas em sinal de luto contra a corrupção. Formalmente criada, e sob os olhares da opinião pública, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que vai investigar a relação de políticos, governadores e empresários com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, preso desde fevereiro, deve ser instalada já na próxima quarta-feira (25), com a definição dos membros partidários – um dia antes, encerra-se o prazo de indicações. O presidente da chamada CPI do Cachoeira já foi previamente escolhido: o senador peemedebista Vital do Rêgo (PB), que também é corregedor do Senado.

Outros temas de destaque hoje no Congresso em Foco

A indefinição agora é quanto ao estratégico posto de relator do colegiado, que deve ficar com algum deputado do PT – Cândido Vacarezza (SP) e Henrique Fontana (RS) estão entre os cotados. Resolvidas as pendências, dá-se início à comissão de investigação que, em pleno ano eleitoral, vai detalhar a relação entre Cachoeira e nomes como o senador Demóstenes Torres (sem partido-DEM), que se disse apenas amigo do bicheiro, mas grampos revelaram que ele defendia interesses do contraventor no Parlamento. Também mencionados em escutas da Polícia Federal, estão sob investigação e serão alvo da CPI deputados de vários partidos e empresários como Fernando Cavendish, dono da Delta Engenharia – a principal prestadora de serviço das obras do Programa de Aceleração do Crescimento. Mas Demóstenes é o mais atingido: antes tido como defensor da ética, o ex-líder do DEM responde a processo por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética do Senado, com cassação dada como certa nos bastidores.

Embora o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), tenha defendido que a CPI deve manter o foco das investigações na teia de atividades criminosas de Cachoeira, espera-se que parlamentares mais afeitos ao embate usem o colegiado como palco, de olho nas eleições municipais de outubro. Sinal dessa disposição foi o recorde de 468 assinaturas de adesão à CPI (confira quem apoiou e quem não apoiou), lista da qual não fazem parte Marco Maia e o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que convalesce de cirurgia cardíaca. Ambos deixaram de assinar o requerimento de abertura da CPI – Marco Maia alegou incompatibilidade com seu posto de comando, enquanto Sarney, confinado em ambiente hospitalar, apenas manteve a distância.

“Quem quiser fazer espetáculo e disputa política, peço que não vá para a CPI”, apelou Marco Maia, para quem os trabalhos de investigação do colegiado não vão atrapalhar as votações de plenário. Uma sessão do Congresso está prevista para a próxima terça-feira (24), às 19h30, para que líderes partidários definam seus representantes na CPI.

Polêmica que segue

À parte a tensão da CPI, Marco Maia manteve para a próxima terça-feira (24), a partir de entendimento de líderes, a votação do projeto que atualiza o Código Florestal Brasileiro. A despeito do pedido de adiamento por parte da Comissão de Meio Ambiente, está pronto para o plenário o substitutivo apresentado quinta-feira (19) pelo deputado Paulo Piau (PMDB-MG), que causou descontentamento entre ambientalistas ao retirar do texto aprovado no Senado a regra que criava percentuais mínimos para a recomposição de áreas de preservação permanente, cedendo à pressão dos ruralistas.

Leia mais: Regras de proteção em margens são excluídas do Código Florestal

Como este site adiantou, por meio da coluna Esplanada, ruralistas já se preparam para defender seus interesses em plenário. Por seu turno, a bancada ambientalista deve reagir no debate em plenário, reforçados por protestos de entidades de classe. A matéria, que teve tramitação concluída no Senado em 6 de dezembro, precisa passar por mais uma votação na Câmara antes de ser enviada para sanção presidencial.

Oito MPs

Paralelamente às implicações políticas do caso Cachoeira e às divergências temáticas, oito medidas provisórias mantém trancada a pauta de votações em sessão ordinária, e aguardam votação em plenário. A primeira delas é a MP 554 /2011, que autoriza o governo a usar recursos da Cide Combustível para criar linha de crédito para estocagem de etanol (álcool combustível). Bancos federais que operam recursos da Poupança Rural e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) poderão financiar até R$ 2 bilhões e R$ 2,5 bilhões, respectivamente.

Segundo item da pauta, a MP 555/2011 permite ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) prorrogar, até 31 de dezembro deste ano, contratos com diversas entidades. Outros destaques da pauta são a MP 560/2012, que abre crédito extraordinário de R$ 40 milhões para que o Ministério da Defesa promova ações de recuperação da Estação Comandante Ferraz, base de pesquisas na Antártica que, em fevereiro, foi destruída por incêndio; e a MP 561/2012, que transfere para a mulher a propriedade de imóveis viabilizados pelo programa Minha Casa, Minha vida, em casos de separação, divórcio ou dissolução de união estável.

Confira as demais MPs da pauta:

MP 556/11: promove diversas alterações na legislação tributária, além de modificar o Plano de Seguridade do Servidor Público para ampliar a lista de adicionais isentos da contribuição previdenciária;

MP 557/2011: cria o Sistema Nacional de Cadastro, Vigilância e Acompanhamento da Gestante e Puérpera para Prevenção da Mortalidade Materna – define-se como mulher “puérpera” é a mãe nos primeiros dias do pós-parto;

MP 558/12: altera os limites de diversos parques nacionais – a começar pelos parques da Amazônia; dos Campos Amazônicos; e o de Mapinguari; das florestas nacionais de Itaituba 1, Itaituba 2 e do Crepori; e da Área de Proteção Ambiental do Tapajós. Todas essas reservas ecológicas estão localizadas na região Amazônica; e

MP 559/12: permite que as Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (Eletrobras) adquiram o controle acionário (51% das ações) da Celg Distribuição S.A.

Pacto federativo fatiado

Se as disputas partidárias são acirradas com a instalação da CPI, estados se preparam para, por meio de seus representantes no Senado, defenderem suas receitas e incentivos fiscais. Como este site mostrou na última terça-feira (17), a maioria dos membros da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) ignorou o apelo de governadores e aprovou o substitutivo ao Projeto de Resolução 72/10, que prevê a unificação da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre produtos importados.

Leia mais: Casagrande acusa governo de descumprir acordo sobre ICMS

Como o Congresso em Foco tem mostrado, alguns estados terão perdas bilionárias de receita com a unificação do ICMS de importados. A matéria unifica a alíquota desse imposto em 4% a partir de janeiro de 2013, e tem como objetivo alegado pelo o governo de acabar com a chamada guerra dos portos, marcada por modelos específicos de tributação. A expectativa da base governista é que o texto, também já aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça, seja votado já nesta terça-feira (23). O projeto tramita em regime de urgência, com prioridade de votação.

Leia ainda:
Clima de secessão no Congresso Nacional
Projeto que unifica ICMS pode parar no STF
Congresso demora na rediscussão do pacto federativo

Os senadores também têm medidas provisórias a trancar a pauta de votações – o projeto de resolução não é atingido pela restrição, uma vez que a matéria é de competência restrita ao Senado. São duas MPs: primeiro item da pauta é a MP 549/2011, que foi alterada na Câmara e, por isso, passou a tramitar como Projeto de Lei de Conversão 7/2012.

A MP, que desonera 22 produtos adequados a portadores de deficiência, tem outros 11 temas enxertados e dispostos em seus 14 artigos, a maioria sobre desoneração de tributos para diversos setores da indústria, comércio e serviços – de papéis para impressos a embalagens de bebida, incluindo isenção de três tributos (PIS, Pasep e Cofins) para sociedades cooperativas de radiotáxi. A medida promove, por exemplo, isenção de impostos para equipamentos e matérias destinados à prática esportiva e ao treinamento de atletas. A matéria não foi votada na semana passada porque, no dia designado para a apreciação, não havia transcorrido o prazo de 24 horas após apresentação do parecer, incumbência do relator, senador Romero Jucá (PMDB-RR).

Já a MP 551/2011, também alterada pelos deputados, tramita como Projeto de Lei de Conversão 8/2012, mas ainda não teve relator designado – o que deve atrasar sua deliberação, a despeito do prazo de vigência a ser encerrado em 1º de maio. A medida reduz de 50% para 35,9% o Adicional de Tarifa Aeroportuária (Ataero) embutido nas taxas cobradas das empresas aéreas e passageiros. Em vigência desde janeiro, a redução de percentual tem como meta, segundo o governo, viabilizar estrutural e operacionalmente aeroportos cujo controle foi repassado à iniciativa privada em fevereiro.

Com informações das agências de notícia do Senado e da Câmara.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo