Trump admite que deixará presidência e promete transição suave

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi às redes sociais nesta quinta-feira (7) para dizer que deixará o cargo em 20 de janeiro. No vídeo, Trump também condenou a violência durante a invasão do Congresso na tarde de ontem por seus apoiadores. Cinco pessoas morreram durante o ato e outras dezenas foram presas.

"Gostaria de começar falando sobre esse ataque odioso ao Capitólio dos Estados Unidos. Como todos os americanos, eu estou revoltado com a violência, anarquia e desordem", disse. "Aos que participaram de atos de violência e destruição: vocês não representam nosso país. E aos que desrespeitaram a lei: vocês vão pagar", vaticinou.

O republicano disse que as "emoções estão em patamares altos" e que o país deve "retomar a calma". Apesar de não citar o nome do presidente eleito Joe Biden, Trump afirmou que "derrotar a pandemia e reconstruir a maior economia da Terra vai exigir de nós que trabalhemos juntos".

Trump disse ainda que servir como presidente "foi a maior honra" de sua vida. "Aos meus apoiadores maravilhosos: sei que estão desapontados, mas quero que saibam que nossa jornada maravilhosa está apenas começando".

Mais cedo, membros do Partido Democrata que integram o Comitê de Assuntos Jurídicos da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos pediram ao vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, que também preside o Senado, que destitua Trump do cargo.

Além disso, o republicano foi bloqueado do Facebook e Instagram ao menos até a posse de Biden. Ontem o Twitter havia bloqueado a conta de Trump por 12 horas.

> Joe Biden pede que Donald Trump acabe com cerco no Congresso.


 

Continuar lendo