Faixas contra embaixador da China são colocadas em frente à embaixada

Após o início de uma crise provocada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho de Jair Bolsonaro, que chamou o coronavírus de vírus chinês e afirmou que o país asiático é o responsável pela pandemia de coronavírus, um homem resolveu ir até a embaixada da China no Brasil e colocar, no gramado da frente, duas faixas com mensagens ofensivas contra o embaixador.

Questionado pelo homem que fez o flagrante, o rapaz que colocou a faixa falou que o fez "só pra não deixar passar batido, para registrar a insatisfação".

> Coronavírus: prevenção, sintomas e o mapa atualizado da covid-19

Bolsonaro não se desculpou

Após os presidentes da Câmara e do Senado pedirem desculpas à China pelo fato de o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ter culpado o país pela propagação do coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro, pai de Eduardo, afirmou que não vai se desculpar.

“Eu cometi algum crime? fiz alguma acusação? Me responda se eu fiz uma acusação. Por que você não pede desculpa, então?”, disse ele a um repórter em frente ao Palácio da Alvorada na manhã desta sexta-feira (20).

O presidente minimizou o episódio entre seu filho e o embaixador chinês no Brasil, que respondeu aos ataques de Eduardo. “Esse assunto é página virada. O governo brasileiro está muito bem com a China. Se houver necessidade, eu ligarei sim para o presidente Xi [Jinping, da China]. Faz parte do meu ofício tomar uma atitude como essa”, disse.

Raízes no passado

Também nessa sexta, Jair Bolsonaro disse que desde que assumiu a presidência, não criticou a China. O que o chefe do Executivo não comentou, no entanto, é que até a véspera de sua posse, costumava fazer diversas críticas ao país que é o principal parceiro comercial do Brasil há 10 anos. Bolsonaro também mantém como ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, frequente crítico dos chineses.

Durante as eleições, o então candidato à presidência do Brasil, Jair Bolsonaro, afirmou que os chineses "não estão comprando no Brasil. Eles estão comprando o Brasil". Nessa mesma entoada, o então candidato se mostrou contrário à privatização de ativos da Eletrobras, pois, segundo o Bolsonaro em campanha, os compradores chineses dariam os maiores lances.

Em 2017, Bolsonaro disse que que o chinês não tem coração. No raciocínio de Jair, a prova disso era o fato dos chineses não enviarem seus homens para o Afeganistão e também não enviarem seus soldados para lutar no Iraque. "A China está garantindo sua segurança alimentar com nossas terras, e vamos nos tornar inquilinos dela", disse em 11 de julho de 2017.

Se os posicionamentos do presidente ficaram pra trás a partir do momento em que tomou posse, a do ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, não mudou tanto assim. Ernesto acredita que precisa levantar “barricadas contra a China maoísta que dominará o mundo!”. Em aula para formandos do Itamaraty, o ministro disse que o Brasil não vai "vender sua alma" para "exportar minério de ferro e soja" para a China.

O país asiático é, há 10 anos, o principal parceiro comercial do Brasil em todo mundo. Em 2018, as exportações entre os países atingiu quase R$ 400 bilhões.

> Bolsonaro diz que não vai se desculpar com a China: “Eu fiz alguma acusação?”

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!