EUA: Trump e Biden se enfrentam em último debate antes das eleições

A menos de duas semanas para a eleição presidencial dos Estados Unidos, Donald Trump e Joe Biden se reúnem nesta quinta-feira (22) para o último debate da campanha. O encontro acontece no Estado do Tennessee e tem previsão de duração de 90 minutos.

O primeiro debate, no fim de setembro, foi marcado por interrupções e bate-boca. Biden chegou a mandar Trump "calar a boca". O  encontro foi classificado por analistas políticos locais como caótico e pouco produtivo. Trump atravessou não apenas Joe Biden como também o próprio moderador do debate, o apresentador da Fox News, Chris Wallace.

Por isso, a Comissão de Debates Presidenciais anunciou esta semana que o microfone de cada candidato será desligado enquanto seu oponente estiver falando. Eles terão dois minutos para responder à pergunta inicial sobre cada tópico do debate.

Meio Ambiente

No último debate, o candidato democrata Joe Biden ameaçou o Brasil com sanções econômicas por conta do desmatamento e das queimadas. "Parem de destruir a floresta. E, se vocês não pararem, irão enfrentar consequências econômicas significativas" disse Biden.

Para analistas e parlamentares ouvidos pelo Congresso em Foco após o debate, a fala do candidato democrata a respeito do Brasil ecoa as críticas que já vêm sendo feitas pelos países europeus sobre a gestão ambiental brasileira. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ironizou a fala do democrata. "É por ano?" disse ele em relação aos US$ 20 bilhões mencionados pelo candidato.

Telecomunicações

Essa semana, o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, participou do evento “2020 US-Brazil Connect Summit”, ocasião em que Jair Bolsonaro anunciou três acordos com Washington para garantir boas práticas comerciais.

Estados Unidos e Brasil firmaram um acordo que prevê investimento de até US$ 1 bilhão em telecomunicações no país. O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o Brasil comercializa com todos, mas “sabemos quem somos”. “Somos uma democracia liberal do Ocidente”. O ministro disse ainda que país está “em grande esforço de aproximação e abertura da economia. Mas aproximação com sentido de geopolítica”, fazendo referência aos acordos com a China.

A embaixada chinesa no Brasil chegou a emitir uma nota rechaçando as declarações feitas por Pompeo e acusou os políticos americanos de promoverem “ataques difamatórios contra o 5G da Huawei”. Segundo os asiáticos, estes atores políticos têm utilizado aparato estatal para “impedir as operações legítimas das empresas chinesas de alta tecnologia”. Jair Bolsonaro já disse que cabe apenas a ele a decisão sobre o futuro da quinta geração de internet no país.

Segundo a BBC, pesquisas recentes indicam que o democrata Joe Biden tem vantagem estável sobre o republicano Donald Trump. O blog Fivethirtyeight.com de Nate Silver mostra Biden com 87% de chances de vitória, enquanto o Decision Desk HQ o coloca com 83,5%. Em 2016, no entanto, o atual presidente também aparecia atrás nas sondagens, que indicavam o favoritismo de Hillary Clinton.

> China rebate declarações de americanos sobre parceria com Brasil

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!