Entrevista – Iriny Lopes

Para a ministra, alterações legais podem ajudar, mas não eliminarão as desigualdades de gênero. Ela observa que boa parte das mulheres “está acostumada a ficar em segundo lugar”.