Dilma chama Bial de machista e acusa governo de usar dinheiro público para atacar cineasta

A ex-presidente Dilma Rousseff acusou o jornalista Pedro Bial de ser sexista e misógino e a Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) de usar dinheiro público para incitar ódio contra a cineasta Petra Costa, diretora do filme Democracia em Vertigem, que trata do impeachment da petista. O filme concorrerá ao Oscar de melhor documentário no próximo domingo.

>Políticos reagem à indicação de Democracia em Vertigem ao Oscar

Em uma série de tuítes, Dilma defendeu a cineasta e o filme. "Como se não bastasse a grosseria misógina e sexista de Bial contra Petra Costa, ao chamá-la de menina insegura em busca de aprovação dos pais, a candidata brasileira ao Oscar com o filme Democracia em Vertigem foi vítima de intolerável agressão oficial do governo Bolsonaro", escreveu a ex-presidente.

Veja os tuítes de Dilma:

Também pelo Twitter, o ex-presidente Lula criticou o uso da estrutura da Secom no ataque à diretora.

"Ficção alucinante"

Dilma afirma que Petra tem sido chamada de mentirosa por dizer a verdade. O documentário retrata o impeachment como um golpe. Em entrevista à rádio Gaúcha, Bial se referiu ao filme como uma "ficção alucinante" e disse que deu gargalhadas enquanto o assistia. "É um filme de uma menina dizendo para mamãe dela que fez tudo direitinho, que ela está ali cumprindo as ordens e a inspiração de mamãe, somos da esquerda, somos bons, não fizemos nada, não temos que fazer autocrítica", declarou o jornalista.

Para a ex-presidente, além de usar dinheiro público ilegalmente, a Secom da Presidência promove censura e desrespeita a liberdade de expressão ao atacar a cineasta. Dilma também criticou o presidente Jair Bolsonaro. "Petra foi até serena na escolha das palavras, ao dizer uma pequena parte do que os brasileiros e o mundo já sabem: o Brasil é governado por um machista, racista, homofóbico, inimigo da cultura, apoiador de ditaduras, da tortura e da violência policial, e amigo de milicianos."

Militante anti-Brasil

Por meio de conta oficial da Secom no Twitter, a secretaria sob comando de Fabio Wajngarten acusa Petra Costa de difamar o Brasil no exterior e de atuar como uma "militante anti-Brasil". As críticas foram motivadas por declarações dadas pela documentarista à PBS, uma emissora pública dos Estados Unidos.

"Sem a menor noção de respeito por sua nação e pelo povo brasileiro, Petra afirmou num roteiro irracional que a Amazônia vai virar uma savana e que o presidente Bolsonaro ordena o assassinato de afroamericanos [provavelmente a ideia era escrever afrobrasileiros] e homossexuais", afirma o post. "É inacreditável que uma cineasta possa criar uma narrativa cheia de mentiras", acrescenta a Secom, que também divulgou um vídeo chamando de fake news cada declaração da documentarista.

Veja o post da Secom:

Para a advogada Mônica Sapucaia Machado, especialista em direito administrativo, os tuítes da Secom ferem a Constituição.A professora da Escola de Direito do Brasil cita o artigo 37 da Constituição. "Ele deixa claro que a Administração Pública se submete aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, e determina ainda que a publicidade dos governos terá caráter educativo, informativo ou de orientação social", afirmou a advogada à Folha de S.Paulo.

> Democracia em Vertigem é criticada por Pedro Bial: “ficção alucinante”

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!