Datafolha: 51% evitam comentários políticos nas redes sociais

Mais da metade dos brasileiros acredita que as redes sociais têm tido um papel relevante para o cenário político nacional. Segundo o Datafolha, a população acredita que essas mídias podem aproximar os políticos das discussões sociais e até influenciar suas decisões. Muita gente, contudo, também tem críticas ao papel político das redes sociais, por conta da divulgação de fake news e dos atritos que essas mídias podem causar entre familiares e amigos que têm visões ideológicas diferentes. Para ter ideia, 51% dos brasileiros já deixaram de fazer algum comentário político na internet para evitar discussões.

> Quase metade dos brasileiros usa rede social para definir voto, indica DataSenado

Pesquisa Datafolha divulgada nesta terça-feira (24) pela Folha de São Paulo revela que 54% dos brasileiros acreditam que as redes sociais são um canal de informação importante para que os políticos estejam atentos às discussões sociais. Isso porque 77% dos entrevistados também acham que essas mídias ajudam a dar voz a grupos da sociedade que normalmente são preteridos pela sociedade.

Outros 43% dizem até que as redes podem influenciar a decisão dos políticos - índice que sobe para 53% entre os eleitores do PSL, cujos membros têm forte atuação nas redes sociais. Por falar em PSL, 18% das 2, mil pessoas ouvidas pelo Datafolha disseram seguir o presidente Jair Bolsonaro, que faz lives semanais para conversar com seus eleitores, em alguma rede social. Esse percentual sobe para 27% entre os eleitores do PSL e para 31% entre quem ganha mais de dez salários mínimos.

Críticas

Também é grande, contudo, o número de críticas ao papel que as redes sociais têm tido na sociedade brasileira. Segundo o Datafolha, apesar desse papel político relevante, 69% das pessoas acreditam que essas mídias também ajudam a distrair as pessoas do que realmente importa. E outros 59% dizem que elas servem mais para divulgar notícias falsas, as fake news, do que para informar. Esse índice é maior entre quem votou em Fernando Haddad (62%) e não em Bolsonaro (57%) na eleição do ano passado.

Outra queixa relevante, sobretudo nesta época de Natal, é o impacto que as redes sociais têm tido na relação de familiares e amigos que têm visões políticas diferentes. Segundo o Datafolha, 51% dos entrevistados já desistiram de fazer algum comentário político na internet para evitar brigas com familiares e amigos. Esse índice chega a 60% entre quem é funcionário público e tem ensino superior. Outros 27% saíram de algum grupo para não entrar em uma discussão política e 19% deixaram de seguir alguém por não concordar com suas opiniões políticas.

O Datafolha ouviu 2.948 pessoas em 176 municípios de todo o País entre os dias 5 e 6 de dezembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

> Veto de Bolsonaro ao pacote anticrime reduz combate às fake news, avalia deputada

> Tenha a melhor cobertura do Congresso de graça no seu Whatsapp

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!