Bolsonaro é apontado como o pior gestor da pandemia no mundo. Saiba por quê

A imprensa do Brasil e de outros países repercute com força o editorial do jornal The Washington Post que apontou Jair Bolsonaro como o pior gestor da pandemia de covid-19 no mundo.

O prestígio da publicação é uma das razões para tamanho destaque. Um dos veículos (ainda) impressos de maior credibilidade dos Estados Unidos, tem 143 anos de história e 47 Pulitzers, que é o prêmio mais importante do jornalismo estadunidense. E entrou em 2013 numa fase particularmente feliz, de forte investimento no jornalismo de qualidade, ao ser comprado por Jeff Bezos, o dono da Amazon.

Já no título o editorial – publicado ontem (quarta, 14) – coloca o presidente brasileiro no lugar onde, na avaliação do jornal, ele deve estar: “Líderes põem vidas em riscos minimizando o coronavírus. Bolsonaro é o pior” (em inglês: Leaders risk lives by minimizing the coronavirus. Bolsonaro is the worst).

> Acesse de graça o melhor conteúdo político premium do país     

> Este site está em auto-quarentena desde 12 de março. Saiba mais

Seguem os principais trechos do editorial e, ao final, uma breve explicação complementar (os links são por conta do jornalista acima assinado):

“O novo coronavírus, que já infectou pelo menos 1,8 milhão de pessoas em 185 países, tornou-se um teste global da qualidade da governança”. 

“Os melhores desempenhos até agora incluem Nova Zelândia, Taiwan, Coréia do Sul e Alemanha, que conseguiram reduzir bastante infecções e mortes por meio de testes, rastreamento de contatos e isolamento social”.

“Os governantes da Bielorrússia, do Turquemenistão, da Nicarágua e do Brasil negaram a seriedade do vírus. (...) Bielorrússia e Nicarágua ainda estão realizando jogos esportivos profissionais. Na Bielorrússia, Alexander Lukashenko aconselhou as pessoas a evitarem a covid-19 tomando saunas frequentes e bebendo vodka. O caso do ditador nicaraguense Daniel Ortega ainda é estranho: ele não é visto nem ouvido em público há um mês”.

“O caso mais grave de improbidade é o do presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Quando as infecções começaram a se espalhar em um país de mais de 200 milhões de pessoas, o populista de direita descartou o coronavírus como "uma gripezinha" e convocou os brasileiros a "enfrentar o vírus como um homem, caramba, não um menino". Pior, o presidente tentou repetidamente minar as medidas tomadas pelos 27 governadores do país para conter o surto”.

Bolsonaro primeiro emitiu um decreto retirando dos estados o poder de restringir o movimento de pessoas. Em seguida, tentou isentar igrejas e casas lotéricas de restrições às reuniões. Felizmente, nos dois casos, a decisão foi anulada pelos tribunais. Mas o presidente continuou a campanha contra o distanciamento social; outra ordem judicial foi necessária para interromper uma campanha publicitária que ele lançou sob um slogan em português que se traduz como "#BrazilCannotStop”.
“Governadores e o ministro da Saúde de Bolsonaro exortaram o público a desconsiderá-lo, e manifestantes em várias cidades estão batendo panelas e frigideiras de suas casas à noite em protesto. Uma pesquisa mostrou que 76% das pessoas aprovam o tratamento convencional da crise pelo ministro da Saúde, em comparação com 33% que apoiam o de Bolsonaro. Mas a ação do presidente está tendo um efeito sinistro. Em São Paulo, a maior cidade do país e o epicentro de sua epidemia, o rastreamento de celulares mostrou que apenas 50% de seus quase 13 milhões de habitantes permaneceram em casa no domingo de Páscoa”.

“O resultado previsível tem sido uma taxa crescente de doenças e mortes. Na segunda-feira, o Brasil ocupava a 14ª posição no mundo em infecções, com mais de 22 mil, e 11ª em mortes, com 1.245, segundo o site de rastreamento da Universidade Johns Hopkins. Epidemiologistas estão prevendo que o pico de infecções e mortes ainda está por vir, graças à frouxidão no distanciamento social incentivada por Bolsonaro”.

> Veja a íntegra do editorial do jornal The Washington Post

Post da atriz Fernanda Paes Leme, que já se recuperou da covid-19

Agora, a explicação final para quem ainda não compreendeu o que se passa (ou pra você passar para quem ainda não entendeu):

Bolsonaro e seus seguidores cada vez menos numerosos apresentam a pandemia como uma questão política que oporia esquerda e direita. De um lado, segundo eles, estaria a esquerda, aproveitando um vírus comunista criado pela China para golpear São Bolsonaro e seu maravilhoso governo, boicotado pelos corruptos do Congresso, pela “Globolixo”, pelo Supremo Tribunal Federal e por um infindável número de maus brasileiros.

Do outro, reproduz sem parar a máquina de boatos bolsonarista, o presidente e seus apoiadores difundiriam o caminho, a verdade e a vida. Qual seja: trata-se de (1) um problema menor, (2) facilmente contornável usando a cloroquina, e que (3) não exige medidas de distanciamento social, as quais só (4) desviam o país daquilo que deveria ser a sua prioridade – a volta da economia à normalidade.

São quatro premissas falsas. (1) A pandemia é gravíssima e só encontra paralelo com a gripe espanhola. (2) A cloroquina pode ser útil em alguns casos específicos sim, desde que ministrada com cuidado por equipes médicas com grande conhecimento do assunto. Mas o seu uso não pode ser generalizado, por trazer risco de morte para alguns pacientes (como aqueles com propensão a doenças cardiovasculares, por exemplo). (3) O isolamento social é imprescindível, e Estados Unidos e outros países pagam um preço alto por terem demorado a fazê-lo. (4) Até sob o aspecto econômico, salvar vidas deve ser prioridade total e absoluta neste momento.

Por fim, é uma estupidez completa dizer que o tema opõe, fundamentalmente, esquerda e direita. As diversas correntes de esquerda e de direita se batem sempre, em torno de qualquer assunto, e agora não é diferente.

Mas a grande divisão que há agora é entre...

Civilização – o que tem a ver com ciência, jornalismo profissional, respeito às instituições da democracia(Parlamento, Judiciário, mídia etc.) e aprendizado com a história e com a experiência concreta. Estão nessa linha a OMS, o Ministério da Saúde, as universidades, quase todo o Congresso, as empresas mais produtivas e dinâmicas do planeta, governadores, prefeitos e praticamente todos os chefes de governo do mundo.

Barbárie – o que tem a ver com fanatismo, cegueira ideológica, crendices, notícias falsas, defesa de ditadura e uso criminoso dos meios de comunicação e de canais digitais para propagar mentiras em tempo de pandemia. Estão nessa vibe apenas Bolsonaro e seus seguidores mais desinformados ou menos preocupados em preservar vidas humanas. Um desafio é saber em qual dessas duas situações se encontra Silas Malafaia, hoje influente porta-voz do discurso anti-ciência e anti-isolamento social.

> Acesse de graça o melhor conteúdo político premium do país     

> Cobertura da pandemia faz audiência do Congresso em Foco quadruplicar

> Este site está em auto-quarentena desde 12 de março. Saiba mais

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!