Ministro do Meio Ambiente faz ofensiva internacional de quase 20 dias

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, começou nesta quinta-feira (19), oficialmente, pelos EUA, um calendário de agendas internacionais que deve durar quase 20 dias, com passagem pela Alemanha, França e Reino Unido. De acordo a publicação do Diário Oficial da União da última quarta-feira (18), Salles retorna ao Brasil apenas em 5 de outubro.

>Governistas travam Comissão de Meio Ambiente para blindar ministros

Na agenda desta sexta-feira (20), em Washington, constam entrevista para a imprensa, para as agências de notícias Associated Press e Bloomberg, e um encontro com “formadores de opinião”, sem detalhes sobre quem estará presente. Salles ainda deve se reunir com presidente global de Assuntos Públicos e Sustentabilidade da Bayer, Matthias Berninger.

Ao comentar a viagem em suas redes sociais, o ministro afirmou que vai “mostrar que o Brasil é exemplo de sustentabilidade e que segue protegendo o meio ambiente, com responsabilidade e compromisso”. No mês de agosto, o governo Bolsonaro enfrentou uma grande crise ambiental por causa das queimadas na floresta amazônica, que ganharam repercussão internacional e se tornaram por exemplo, tema da reunião dos sete países mais ricos do mundo, o G7. Dias antes do avanço das queimadas vir à tona, o governo ainda enfrentava a repercussão sobre a demissão do diretor-presidente do INPE, por causa de dados sobre desmatamento, que desagradaram o presidente Jair Bolsonaro.

Na prática, as primeiras agendas de Salles no país ocorreram nesta quinta (19), em Washington DC, nos EUA, e ainda devem seguir para Nova Iorque. Ao chegar para uma de suas reuniões, o ministro do meio ambiente foi recebido com protestos de ativistas ambientalistas, como do Greenpeace.

O ministro concedeu entrevista para a agência de notícias Reuters e para o jornal Wall Street Journal, além de um encontro com representantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento, o BID. Salles sinalizou em seu Twitter uma proposta de novo fundo para a Amazônia com participação da iniciativa privada.

Na semana passada, os governadores da Amazônia Legal iniciaram por conta próprio contato com os principais financiadores do Fundo Amazônia, Alemanha e Noruega, além de outros países europeus, como França e Reino Unido, para traçar uma estratégia de cooperação internacional para o desenvolvimento sustentável da região, sem mediação do governo federal.

>Salles dá entrevista para youtuber considerado supremacista branco

> Datafolha: 51% dos brasileiros reprovam desempenho de Bolsonaro na Amazônia

AmazôniadesmatamentoFundo AmazôniaMeio Ambienteministro do meio ambienteRicardo Sallessustentabilidade