Fux cria observatório jurídico para preservação do meio ambiente

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, lançou nesta terça-feira (10) o Observatório do Meio Ambiente do Poder Judiciário. Fórum interdisciplinar, de caráter nacional, criado para ser um canal permanente de diálogo entre o Judiciário e a sociedade civil.

"Desde o início da minha gestão à frente da Presidência do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça, assumi o compromisso de promover, com prioridade, a atuação do Judiciário voltada para a proteção dos direitos humanos e do meio ambiente, conforme definido no Eixo 1 de nosso plano de gestão", disse Fux.

Entre os objetivos do Observatório está traçar estudos, monitoramentos, pesquisas, programas,
projetos e ações para a construção de diagnósticos das boas práticas, formulação de políticas
e implementação de iniciativas para a tutela do meio ambiente natural da Amazônia Legal pela atuação do Poder Judiciário e do Sistema de Justiça.

Também está prevista a articulação do poder judiciário com instituições nacionais e internacionais para aumentar as ferramentas de enfrentamento às violações do meio ambiente, bem como parcerias para o intercâmbio de informações, de dados, de documentos ou de experiências.

O Observatório será um órgão consultivo vinculado à presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e integrado por representantes do Judiciário, profissionais do meio acadêmico, entidades representativas e da sociedade civil, todos com formação e comprovada experiência na temática do meio ambiente. Fux presidirá as reuniões do grupo.

O Observatório terá como membros os Conselheiros do CNJ:

- André Godinho;
- Candice Jobim;
- Ministro Emmanoel Pereira;
- Flávia Pessoa;
- Ivana Farina;
- Luiz Fernando Keppen;
- Marcus Vinícius Jardim Rodrigues;
- Maria Tereza Uille Gomes;
- Mário Guerreiro;
- Rubens Canuto; e
- Tânia Reckziegel.

E como representantes da sociedade civil:

- Ministro Herman Benjamin, do Superior Tribunal de Justiça, referência internacional em direito ambiental;
- Beto Veríssimo, pesquisador e co-fundador do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia - Imazon;
- Carlos Bocuhy, presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental- PROAM;
- Denise Hamú, representante do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA;
- Denise Hills, diretora de sustentabilidade da Natura;
- Nabil Moura Kadri, Chefe do Departamento do Meio Ambiente e Gestão do Fundo da Amazônia;
- Sebastião Salgado, fotógrafo e ambientalista.

"Estou certo de que a pluralidade de ideias e a troca de experiências entre os membros do Observatório e as instituições que eles representam apontarão caminhos para avançarmos na tutela do meio ambiente, bem como indicarão medidas concretas para aprimorarmos a atuação do Judiciário", disse Fux.

O primeiro evento promovido pelo CNJ será o “I Webinário Internacional Brasil-União Europeia: Justiça e Políticas de Proteção Ambiental”, no próximo dia 17 de novembro. Em seguida, no dia 24 de novembro, ocorre a primeira reunião do Observatório.

> Servidores do Ibama e ICMBio não acreditam que saída de Salles mude política ambiental

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!