Câmara fecha acordo para votar MP do Código Florestal

A Câmara dos Deputados fechou um acordo nesta terça-feira (17) para aprovar a  Medida Provisória (MP) 884, conhecida como MP do Código Florestal.

A principal crítica dos ambientalistas era o ponto do texto que afirma que o órgão fiscalizador terá até três dias para notificar o produtor rural, caso não fosse feito nesse tempo, o produtor entraria automaticamente no Programa de Regularização Ambiental.

Esse trecho sobre o prazo de três dias será retirado por meio de uma emenda aglutinativa ao texto principal e o órgão fiscalizador não terá mais tempo máximo para notificar o produtor rural.

A previsão é que a MP seja votada nesta terça-feira pelo Plenário da Câmara.

A medida também vem sendo criticada por ambientalistas porque veem nela uma anistia para o equivalente a 19 milhões de campos de futebol desmatados ilegalmente.

O senador Irajá Abreu (PSD-TO), relator da proposta no Senado, afirmou que "o relatório aprovado não cria qualquer tipo de anistia e isenção de obrigações legais para produtores rurais".

O senador disse que é de interesse do produtor rural se cadastrar no Programa de Regularização Ambiental. “O produtor tem de declarar o que ele tem de reserva legal, o que ele tem em área de preservação permanente preservada, o que ele está produzindo. Então passa a ser instrumento tanto de controle ambiental, como também poderá ser usado pelos bancos, para fins de financiamentos, dada a sua transparência”, argumentou.

>Flexibilização do Código Florestal levanta temor de represália econômica

>O Governo não pode colocar fogo na Amazônia

 

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!