Bolsonaro é denunciado em corte internacional por “incitar genocídio indígena”

O presidente Jair Bolsonaro é alvo de denúncia no Tribunal Penal Internacional acusado de promover o "genocídio de povos indígenas".  A ação foi movida por duas organizações de advogados especializadas em direitos humanos, a Comissão Arns e o Coletivo de Advogados de Direitos Humanos (CADHu).

>Governo defende soberania brasileira na Amazônia em resposta a Macron

O Tribunal Penal Internacional é um órgão criado em 2002 com o apoio do próprio Ministério das Relações Exteriores brasileiro.

A corte é um tribunal permanente de justiça internacional cuja missão é julgar pessoas que cometeram crimes de genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade, como por exemplo escravidão, extermínio e assassinato.

O presidente da Comissão Arns, que entrou com o processo contra Bolsonaro, é o ex-ministro da Justiça José Carlos Dias, que comandou a pasta durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSBD).

Na ação é citada a propagação dos incêndios na Região Amazônica e que causou o primeiro constrangimento internacional do governo de Jair Bolsonaro, envolvendo atritos com o presidente da França, Emmanuel Macron, e em menor escala também com a presidente da Alemanha, Angela Merkel.

>Deputados discutem projetos de combate ao desmatamento na Amazônia

> Marina Silva: Marcos Pontes devia ter saído do governo para defender o Inpe

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!