Vice-líder do governo pede William Bonner, Witzel e cúpula da Globo na CPI das Fake News

Um dos vice-líderes do governo na Câmara, o deputado José Medeiros pediu à CPI mista das Fake News que chame o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e a cúpula do jornalismo da TV Globo para prestarem esclarecimento à comissão parlamentar de inquérito. Medeiros defende que os representantes da emissora devem falar sobre “ataques midiáticos” e seus “métodos jornalísticos”.

Os alvos do deputado são o apresentador e editor-chefe do Jornal Nacional, William Bonner, o diretor de jornalismo da Globo, Ali Kamel, o diretor-geral, Carlos Henrique Schroeder, e o presidente do Conselho de Administração do Grupo Globo, Roberto Irineu Marinho. Como o requerimento é de convite, caso seja aprovado, eles não serão obrigados a comparecer.

> Ministério Público afirma que áudio da portaria contradiz porteiro

Na justificativa do pedido, Medeiros diz que “o bom jornalismo produzido pela Rede Globo não é impermeável a falhas humanas” e que os convidados podem detalhar os métodos com os quais produzem suas notícias jornalísticas, “em especial em relação à matéria veiculada na noite de 29 de outubro de 2019 sobre a suposta relação entre os assassinos da vereadora Marielle Franco e o presidente Jair Bolsonaro”.

O deputado alega que Witzel é suspeito de utilizar a máquina pública do estado do Rio de Janeiro para “perseguir e vilipendiar a família Bolsonaro, uma vez que este disputa a mesma base eleitoral do atual presidente da República e pretende lançar-se candidato a presidente em 2022”.

Reportagem veiculada pelo Jornal Nacional na última terça-feira (29) sustentava que um porteiro do condomínio onde Bolsonaro tem residência, no Rio, relatou que alguém que se identificou como “seu Jair”, na casa dele, autorizou a entrada de um dos suspeitos do assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol). De acordo com o Ministério Público, o porteiro mentiu ou se equivocou. Áudios mostram que a autorização para o ingresso de Élcio Queiroz foi dada por Ronnie Lessa, outro suspeito do crime e também morador do condomínio.

Bolsonaro acusou a Globo de fazer “canalhice” e “patifaria” e Witzel de vazar a informação para a TV. A emissora divulgou uma nota em que se defende e diz que fez apenas jornalismo ao divulgar dados que constavam de inquérito. Também ressaltou que ela mesma informou que Bolsonaro estava na Câmara naquela data, o que tornaria impossível que ele tivesse atendido o interfone. Witzel afirma que jamais vazou qualquer informação e que está sendo injustiçado pelo presidente.

> Aras diz que não há menção a Bolsonaro no áudio e que caso foi arquivado pelo STF

Ali Kamelassassinato de marielleCarlos Henrique SchroederCPI das Fake NewsCPMI das Fake NewsÉlcio QueirozJair BolsonaroJosé Medeirosmarielle francorede globoRio de JaneiroRoberto Irineu MarinhoRonnie LessaTV Globowilliam bonnerWilson Witzel