Simone Tebet pede trégua entre Congresso e Bolsonaro por combate ao coronavírus

A presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Simone Tebet (MDB-MS), divulgou nota nesta quinta-feira (12) em que defende a união de esforços do Congresso e do governo para garantir condições legais e orçamentárias para que o país supere a crise de ordem econômica e sanitária causada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Para ela, é preciso esquecer as divergências políticas diante da gravidade do atual cenário.

> Wajngarten está com coronavírus; Bolsonaro está sob observação

“De nossa parte, no Congresso Nacional, focar as nossas energias e abandonar todas as disputas políticas, para propiciar ao Executivo o necessário respaldo para que ele tenha todas as condições legais e orçamentárias para pavimentar esse caminho que nos levará à superação deste momento”, afirma a senadora. Na CCJ estão as propostas de emenda à Constituição do ajuste fiscal (Emergencial e Pacto Federativo). A PEC dos Fundos passou semana passada pelo colegiado.

Simone também sugere que as pessoas não entrem em pânico, procurem formas de se prevenir e tomem cuidado com as notícias falsas que correm pelas redes sociais.

> Bolsonaro cancela ida ao RN para articular contra coronavírus e aumento ao BPC

“Haverá, sim, um outro tipo de ‘pandemia’, o das notícias falsas, dos fakes, com potencial de contaminação que podem piorar, ainda mais, os efeitos deletérios do coronavírus. Portanto, conscientes dos perigos da propagação, melhor será se evitarmos compartilhar o que não venha de fontes seguras, cujo interesse seja, unicamente, ultrapassarmos este período de grande preocupação”, diz a presidente da CCJ. “O pânico também não é bom companheiro nesta viagem. A prevenção, sim”, acrescentou.

Veja a íntegra da nota:

"CORONAVIRUS: HORA DE SOMAR ESFORÇOS

Não há como desconhecer a gravidade do momento. Não se trata mais de uma história contada sobre outras pandemias de outros tempos. Para grande parte do planeta, o coronavírus já é uma história vivida. Vivida e sofrida. Não é uma questão de anos, ou de séculos, atrás. É de agora. 

O coronavírus partiu da China, faz longa escala na Itália e já se alastra, segundo a OMS, por todos os países. Atravessou o oceano e chegou às américas. Aportou no Brasil, e por aqui também deve se multiplicar.

Participei ontem da primeira reunião entre o Executivo e o Legislativo depois da declaração do estado de pandemia. A impressão que me ficou é que, pelo menos nos assuntos afetos à saúde, o Brasil está em ótimas mãos. O ministro Mandetta demonstrou profundo conhecimento sobre o assunto, consciente da gravidade do momento, mas seguro dos passos a seguir. Por isso, a melhor decisão que todos nós deveremos tomar agora é seguir os rastros oficiais. Evitar caminhos que não sejam pavimentados pelo interesse público.

Haverá, sim, um outro tipo de “pandemia”, o das notícias falsas, dos fakes, com potencial de contaminação que podem piorar, ainda mais, os efeitos deletérios do coronavírus. Portanto, conscientes dos perigos da propagação, melhor será se evitarmos compartilhar o que não venha de fontes seguras, cujo interesse seja, unicamente, ultrapassarmos este período de grande preocupação.

O pânico também não é bom companheiro nesta viagem. A prevenção, sim. Como o potencial de propagação do vírus é geométrico, mais que aritmético, evitar, por exemplo, aglomerações que não sejam imprescindíveis e dedicar atenção especial os idosos, mais propensos à gravidade da contaminação.

De nossa parte, no Congresso Nacional, focar as nossas energias e abandonar todas as disputas políticas, para propiciar ao Executivo o necessário respaldo para que ele tenha todas as condições legais e orçamentárias para pavimentar esse caminho que nos levará à superação deste momento.

Simone Tebet
Senadora (MDB-MS)"

>Congresso vai ceder R$ 5bi de sua cota para combater coronavírus, diz relator

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!