Senadores elogiam postura de diálogo de Alcolumbre, mas criticam Bolsonaro

Após se reunir com o presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira (28) no Palácio do Planalto, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), ouviu de colegas elogios à sua postura de diálogo e ao esforço de mediar conflitos com o Executivo. Depois de investidas frustradas do presidente da Câmara, Alcolumbre, que também é presidente do Congresso Nacional, tem tentado dialogar mais com o presidente.

Bolsonaro e Davi Alcolumbre se reúnem para conversar sobre ações do STF

O líder do Podemos, Alvaro Dias (PR), apelou que seja estabelecido um prazo para a busca de entendimento entre os três Poderes. “É preciso que entendam que há um limite para as agressões reiteradas para as instituições democráticas”, disse.

Na mesma linha, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) saudou os esforços de Alcolumbre, mas afirmou que em determinado momento será necessário dizer ao presidente que ele não poderá avançar mais.

“O senhor presidente da República tem sido o principal fator de desestabilização do país”, disse, condenando a postura do chefe do Executivo. “De segunda à sexta fica fazendo política em cima de cadáveres e no domingo ele faz comício rompendo com o isolamento social”. Ele também criticou a gestão da crise sanitária, afirmando que o Brasil está como “uma nau desgovernada”.

As falas foram seguidas por outros líderes. A senadora Eliziane Gama (MA) defendeu ações concretas. “O Congresso Nacional precisa ter uma ação mais firme, mais enérgica, sob pena de a gente ver ser instaurada no nosso país uma ditadura, um golpe de Estado”, disse ela.

“Vossa Excelência não pode tentar apagar incêndio toda semana. É preciso que a gente tome alguma providência antes que seja tarde demais”, disse o líder do PT, Rogério Carvalho (SE).

A deputada Soraya Thronicke (PSL-MS), aliada do presidente, também louvou o esforço de Alcolumbre em buscar a harmonia entre os Poderes. “A sua voz vai ecoar sim e vai surtir efeito”, disse ela.

Alcolumbre agradeceu as manifestações dos senadores e disse que “A fé é a esperança nas coisas não vistas. Vamos com muita fé trabalhar pelo Brasil”. Ele não forneceu detalhes sobre a reunião com o presidente Bolsonaro.

Congresso em Foco apurou que a conversa desta tarde entre os chefes dos dois Poderes foi para discutir as recentes ações do Supremo Tribunal Federal em direção a aliados do presidente. Bolsonaro escalou no tom contra o STF após decisões envolvendo seus auxiliares e aliados políticos. “Chega, porra!” e “ordens absurdas não se cumprem” foram algumas das expressões usadas pelo presidente nesta quinta.

Ao vivo: Senado vota suspensão do reajuste de medicamentos e planos de saúde

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!