Senado foca em MP verde amarela e PL sobre estados fica para semana que vem

O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), disse ao Congresso em Foco  que as discussões sobre o projeto de lei de socorro aos estados  só vão ser retomadas na próxima semana.

A matéria foi aprovada na segunda-feira (13) pelos deputados e a tramitação no Senado ficou paralisada desde então, inclusive sem a escolha do relator, que deve ficar para próxima semana.

Governo e Câmara travam uma queda de braço em torno da matéria. O Palácio do Planalto tem recorrido a senadores para desidratar a medida.

>Governadores pedem ao Senado para que não altere socorro a estados

De acordo com o líder do governo, o esforço do Senado é em terminar na sexta-feira (17) de votar a proposta de emenda à Constituição do orçamento de guerra, que ainda falta ser analisada em segundo turno, e a medida provisória do contrato de trabalho verde amarelo.

“Essa semana já acabou a pauta porque vamos votar amanhã em segundo turno a PEC e vamos tentar votar medida provisória do verde-amarelo”, disse.

As informações deste texto foram publicadas antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

> Cadastre-se e acesse de graça, por 30 dias, o melhor conteúdo político premium do país   

A MP perde a validade na próxima segunda-feira (20). Como não há sessões legislativas no fins de semana, os senadores tem só tem esta sexta para confirmar a medida.

A oposição tenta atrasar os trabalhos para fazer com a iniciativa não seja validada. O líder da minoria no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse ao Premium que está marcada para às 10 horas da sexta uma reunião com partidos de oposição para decidir estratégias de obstrução da pauta.

Eduardo Gomes se mostrou otimista com a aprovação da matéria e minimizou atuação dos senadores insatisfeitos. “A gente está conversando, mas na Câmara votaram contra e a gente aprovou”, declarou.

A medida provisória flexibiliza o pagamento de direitos trabalhistas e contribuições sociais para facilitar a contratação de jovens de 18 a 29 anos e trabalhadores com mais de 55 anos. Maia e aliados tentavam há semanas analisar a MP, mas esbarravam na resistência de partidos de oposição.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!