Sem clima político, relator da CCJ só será conhecido na semana que vem

O relator da proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência ainda não será conhecido essa semana, apesar do projeto dos militares ter chegado à Câmara. O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, Felipe Francischini (PSL-PR), prometeu ao tomar posse no colegiado apontar quem ficará à frente da função. Falta, porém, clima político.

Ele havia convocado uma coletiva à imprensa para 11h desde quinta (21) para fazer o anúncio. Na quarta (20), corria pela Câmara em conversas com deputados, em busca de acordos. Mas não conseguiu chegar a um nome.

"Dando uma resposta sobre a possível coletiva que seria realizada hoje para o anúncio do relator da previdência. Ela foi adiada. Depois de uma reunião com líderes partidários, ficou acordado que não haverá a indicação do relator até que o Governo, através do Ministério da Economia, apresente um esclarecimento sobre a reforma e a reestruturação dos militares", informou a assessoria do PSL em nota às 10h25 desta quinta.

Francischini quer ganhar tempo e então usou como justificativa a necessidade de ouvir Paulo Guedes primeiro. O ministro foi convidado a comparecer à CCJ na próxima terça (26). Por se tratar de convite, cabe a ele decidir se vai ou não. Mas caso opte por não comparecer, a tramitação da PEC da reforma da Previdência, medida cuja aprovação é vista como essencial ao governo, fica ainda mais prejudicada e atrasada - o calendário inicial, que previa a apresentação do relatório no dia 27 e votação em 3 de abril, já está prejudicado.

O grande problema por trás dos sucessivos adiamentos é simples: ninguém quer relatar a PEC. Desde 20 de fevereiro, quando o texto chegou ao Congresso, mesmo deputados próximos ao governo começaram a demonstrar resistência e, se haviam, em algum momento, evidenciado interesse no posto, logo deram um jeito de desconversar. A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-PR), chegou a criticar ao Congresso em Foco a atitude dos parlamentares. "Deputados que juraram amor eterno à Bolsonaro, agora se afastam".

Nessa corrida, pesa ainda o fato de que, para a função, nem o governo, nem o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o principal avalista da PEC, nem o próprio Francischini, queriam um deputado em primeiro mandato. O que já reduz bastante o escopo de escolha frente a renovação pela qual a Câmara passou - mais da metade dos deputados são novatos.

Mas a questão é maior. Há uma insatisfação geral no Parlamento. Congressistas reclamam da articulação política como um todo. De ligações não atendidas, a longas esperas para serem recebidos, da não liberação de cargos prometidos, a discursos que o governo muda publicamente. "Há um sentimento de ridicularização geral. A única base que eles têm hoje aqui é o PSL. E olhe lá", resumiu um deputado cujo partido tem nomes em cargos na Esplanada dos Ministérios.

 

Bolsonaro perde três de cada dez apoiadores em dois meses, aponta Ibope

Maia cobra respeito de Moro após mensagem de madrugada por tramitação de projeto anticrime

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!