Sem citar tentativa de invasão, Eduardo Bolsonaro defende 300 do Brasil

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente da República, fez uma manifestação de apoio, na manhã de hoje (13), ao grupo 300 do Brasil, que tentou invadir o Congresso Nacional no final da tarde. Mesmo após a tentativa de invasão, Eduardo voltou a defender o grupo no final da tarde, sem citar a tentativa de invasão. Os bolsonaristas foram expulsos da Esplanada dos Ministérios, onde estavam acampados ilegalmente, segundo nota do Governo do Distrito Federal.

Segundo a líder do grupo, a tentativa de invasão foi uma resposta ao fechamento do acampamento. "Vocês tiram nossa barraca e a gente tira seu Congresso", disse Sara Winter.

Durante a manhã, o grupo foi retirado da Esplanada, onde estava acampado há mais de dois meses. Eduardo Bolsonaro compartilhou um vídeo, onde mostra a Polícia Militar jogando spray de pimenta para retirar parte do grupo que se recusou a sair.

"O que essas pessoas estavam fazendo de errado ou ruim para que o governador Ibaneis determinasse sua remoção? Manifestação seguindo protocolos de saúde não desrespeita sequer o decreto distrital", disse Eduardo.

Ao contrário do que disse o filho do presidente, o governo do DF afirmou que o acampamento estava irregular. "A Secretaria DF Legal informa que os manifestantes ocupavam área pública, na Esplanada dos Ministérios, o que não é permitido", afirmou a entidade. "Ainda, o Decreto nº 40.509/20, que trata de medidas de enfrentamento à pandemia, proíbe aglomerações com mais de 100 pessoas em eventos que demandem a autorização prévia do GDF", afirmou.

Eduardo afirmou que na próxima segunda (15), se reunirá com o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), para reclamar "sobre os fatos de hoje e manifesto por respeito à liberdade de expressão. Outras medidas podem ser tomadas", disse.
Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!