Líder do DEM procura apoio do PT para presidir o Senado

O senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), líder do partido e candidato apoiado pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para ser seu sucessor, reuniu-se nessa quarta-feira (30) com os seis senadores da bancada do PT. O partido ainda não tem posição na disputa e deve defini-la até o próximo dia 10. "Ainda não há posição formada. Será em janeiro", disse Pacheco ao Congresso em Foco.

De acordo com ele, os senadores não fizeram exigências. "Nenhum pedido específico. Foi uma conversa mais ampla sobre temas nacionais".

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

> MDB busca união em candidatura própria para retomar presidência do Senado

O senador Humberto Costa (PT-PE) também comentou sobre a reunião. "Foi mais uma discussão sobre o papel do Senado na defesa da democracia no país. Acho que até o dia 10 teremos uma posição".

O líder do DEM também procura o apoio do governo federal. Davi Alcolumbre tenta fazer uma ponte entre Pacheco e o presidente Jair Bolsonaro. Apesar disso, Bolsonaro fez acenos ao MDB e chamou há duas semanas, durante a posse de Gilson Machado como ministro do Turismo, de "trio maravilhoso" os senadores emedebistas Fernando Bezerra e Eduardo Gomes, líderes do governo, e Eduardo Braga, líder do partido. Os três e Simone Tebet tentam ser candidatos à presidência do Senado pelo partido.

Além das legendas de oposição, o PSD, que tem 11 senadores, a segunda maior bancada, também é visto como fiel da balança. O partido ainda não definiu uma posição, mas cresce uma movimentação para que haja candidatura própria com Nelsinho Trad (PSD-MS), algo defendido pelo líder do partido Otto Alencar (PSD-BA), mas que ainda não está definido.

>Bolsonaro reforça o convite e Davi Alcolumbre fica mais perto de ministério

Continuar lendo