Alesp tira de pauta PL homofóbico; megaempresas criticam a proposta

A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) retirou de pauta, nesta quarta-feira (28), o PL 504/2020, que buscava proibir propagandas que façam referência a orientações sexuais de temática LGBTQIA+ no estado.

O texto, considerado flagrantemente inconstitucional, foi alterado por uma emenda apresentada pela deputada Erica Malunguinho (PSOL), a primeira deputada transexual eleita no país. Com 26 assinaturas – uma a mais que o mínimo necessário – o texto foi alterado, e agora deve voltar às comissões da Alesp.

A proposta, no entanto, gerou imediato mal-estar entre empresas e anunciantes no maior mercado publicitário do país. Antes mesmo de ir à Plenário, ao menos 60 empresas se posicionaram publicamente contra o texto. Empresas nacionais como a Havaianas e a Gol se manifestaram com a mesma veemência que braços brasileiros de empresas estrangeiras como o Facebook e a NBA.

O levantamento foi feito pela consultoria Mais Diversidade, que captou 69 mensagens de marcas contra o PL, apresentado pela deputada Marta Rocha (PSD). Veja algumas das manifestações contra o PL:


> Oposição quer ouvir Drauzio na CPI; governistas pedem Doria
> Por falta de acordo, “PL da grilagem” é retirado de pauta

Continuar lendo