PDT e Republicanos querem vaga do PSL na CCJ da Câmara

A presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara dos Deputados está indefinida por conta do racha no PSL que vai dividir a bancada em duas após o Aliança pelo Brasil ser registrado.

O Congresso em Foco ouviu deputados para saber quem deve ficar com o comando da comissão. Republicanos (32 deputados) e PDT (28 deputados) manifestaram interesse.

De acordo com o  vice-líder do Republicanos, deputado João Roma (BA), há um acordo para que ele ou Lafayette de Andrada (Republicanos-MG) presidam a comissão em 2020. A ideia é que haja um rodízio entre as maiores bancadas.

Outro partido interessado no comando da comissão é o PDT, que faz oposição ao governo de Jair Bolsonaro e pode ter o poder de barrar projetos governistas. O líder da sigla, André Figueiredo (CE), afirmou que o nome escolhido caso seja confirmado um rodízio será o de Afonso Mota (PDT-MS).

As informações deste texto foram publicadas antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

> Bolsonaro estuda “plano B” para candidatos se Aliança não sair do papel

> Bolsonaro decide sair do PSL e fundar novo partido

PSL diz que acordo foi para comandar a CCJ por dois anos

O vice-presidente do PSL, deputado Júnior Bozzella (SP), demonstrou interesse do partido em continuar no comando da CCJ em 2020.

Ele disse que ao apoiar a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para presidente da Câmara em 2019 o prometido foi que o PSL ficasse no comando da CCJ durante os dois anos de mandato dele.

Para o deputado não foi estabelecida a ideia dos partidos se revezarem no comando da comissão

"É um direito dos outros partidos quererem cobrar, mas há um acordo firmado inicialmente com o PSL. Os outros quererem participar... Não foi sentado em uma mesa lá atrás na hora de fechar acordo com o Rodrigo o Republicanos e o PSL combinado isso: agora o Republicanos que assume a CCJ", disse.

E completou: “se quiser mudar vai ter que conversar com todo mundo novamente, um na frente do outro e ver qual caminho que vai ser traçado, a estratégia que vai ser decidida”.

> Presidente do PSL anuncia apoio do partido à reeleição de Rodrigo Maia na Câmara

Sem Bia Kicis

Acordo interno construído pelo partido no início de 2019 previa que a deputada Bia Kicis (PSL-DF) substituísse Felipe Francischini (PSL-PR) no comando da CCJ em 2020.

No entanto, a deputada faz parte da ala que vai para o Aliança. “Se a CCJ for ficar com o PSL não faz sentido deputados que nem vão estar mais no PSL, que estão se armando para mudar de partido assim que tiver o registro consolidado do novo partido, ocuparem vagas em comissões que não é do partido deles”, disse Bozzella.

> Presidente da CCJ diz que Congresso só aprova segunda instância em 2020

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!