Para MDB, Plano Pró-Brasil é insuficiente; PT fala em mini PAC

O líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM), comentou ao Congresso em Foco sobre o Plano Pró-Brasil, programa do governo que pretende fomentar obras de infraestrutura.

“Na direção, mas isso não basta. O volume total de investimento terá que ser maior e somando público, privado, nacional e estrangeiro”.

>Bolsonaro pede ao MDB que apoie congelamento de salário de servidores

> Plano de investimento do governo enfrenta crítica do Ministério da Economia

A presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, também considera que o Pró-Brasil tem um tamanho insuficiente.

Ex-ministra da Casa Civil de Dilma Rousseff (PT), Gleisi disse que o governo de Jair Bolsonaro copiou o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), iniciativa das administrações do PT no governo federal que também tratava de investimento em obras.

“Li material sobre esse programa de recuperação que o governo anunciou. Um conjunto de obras para enfrentar a crise da economia. Copiaram nosso governo. Mesma concepção, mesmos técnicos no apoio. Obras semelhantes. Quiseram fazer um PAC. Mas pelo tamanho será mini, uma amostra”, escreveu no Twitter.

As informações deste texto foram publicadas antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

A iniciativa foi anunciada na quarta-feira (22) pelo ministro da Casa Civil, general Walter Braga Netto. As principais ações envolvem os Ministérios do Desenvolvimento Regional, comandado por Rogério Marinho, e o de Infraestrutura, capitaneado por Tarcísio Freitas.

Ainda não há um detalhamento das ações, mas o ministro Tarcísio Freitas anunciou durante o evento de lançamento que vai elaborar uma lista de 70 obras e que elas vão totalizar investimentos de R$ 30 bilhões até 2022.

O anúncio do programa não contou com a participação do ministro da Economia, Paulo Guedes, nem de ninguém da sua equipe.

A matéria de expansão de gastos recebeu a oposição pública de pelo menos dois membros do Ministério da Economia, são eles o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, e o secretário de desestatização, Salim Mattar.

Em reunião por videoconferência com membros da Federação de Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) o ministro da Casa Civil afirmou na quinta-feira (23) que as reformas de ajuste fiscal do governo vão continuar. “Não se pensa em estatização e não se pensa em trocar o rumo”, disse.

Gleisi Hoffmann pediu para que a ex-ministra do Planejamento Miriam Belchior, coordenadora do PAC no governo de Dilma Rousseff, fizesse uma avaliação sobre o Pró-Brasil e encaminhou o vídeo com a fala da ex-ministra ao site.

“No mesmo dia [de lançamento do projeto], dois membros da equipe econômica dizem que não, o caminho é austeridade fiscal e investimento privado, obra pública, não. Na sequência, o militar lá da Casa Civil diz que não se toca no teto de gastos. Se for mantido o teto de gastos, o aumento de recursos para obras públicas vai implicar em redução ainda maior nos recursos de todas as outras áreas”, afirmou Miriam Belchior.

 

> Cadastre-se e acesse de graça, por 30 dias, o melhor conteúdo político premium do país   

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!