Eduardo mantém o cargo de líder no tapetão, diz Olímpio

O líder do PSL no Senado, Senador major Olímpio (SP), afirmou nesta terça-feira (22) que o deputado Eduardo Bolsonaro não tem a "liderança natural" e que só vai conseguir manter o cargo de líder do partido na Câmara "no tapetão, na porrada, na pressão".

> PSL vai estudar nome alternativo para a liderança na Câmara

"O Eduardo já ficou bem claro que só no tapetão, na porrada, na pressão, ameaçando arrancar cargos e etc vai ficar lá. Não tem a liderança natural. Liderança não se transmite de pai para filho. Isso tem que se conquistar", disse.

Ontem, o filho mais novo do presidente conseguiu destituir delegado Waldir (GO) do cargo de líder do partido na Câmara, na quarta lista apresentada desde que a crise entre Jair Bolsonaro e o presidente do partido, o deputado Luciano Bivar (PE), começou. Ainda na segunda, outras duas listas foram apresentadas: uma para colocar de volta Waldir e outra para manter Eduardo.

No meio desse conflito, pelo menos 19 deputados do partido que apoiam Eduardo foram notificados sobre processos dentro da sigla para suspender seus mandatos. Nesta manhã, Olímpio e outros membros da legenda discutem as punições em uma reunião da executiva e do conselho de ética do partido.

> Deputados bolsonaristas apelam ao STF contra suspensão no PSL

Bolsonaro é 'marionete'

Também presente no encontro nesta segunda, Waldir afirmou que "ninguém é mais forte nesse governo" que os filhos do presidente. "O presidente, na verdade, é uma marionete, e os filhos estão governando", disse.

De acordo com Waldir, a vitoria de Eduardo na verdade foi uma derrota. "Quando você utiliza o presidente da República, quando você utiliza ministérios, quando você pressiona deputados, inclusive oferecendo viagens, isso na verdade não é vitoria", comentou.

Ele reafirmou que o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, conversou com o presidente do partido, o deputado Luciano Bivar (PE), para tentar apaziguar os ânimos, mas as conversas foram interrompidas pela nova lista que colocou Eduardo na liderança da Câmara.

"Ele pediu essa paz, disse que iria trabalhar essa paz, e nós nos surpreendemos – eu, pessoalmente, me -surpreendi  – quando foi protocolada uma nova lista. Então é sinal que o grupo que está sob a liderança de Eduardo Bolsonaro não quer trégua", afirmou.

Segundo Waldir, Ramos está "enfraquecido" e "sem poder de decisão". "Fala uma coisa, faz outra... Não tem poder de decisão", disse.

Terceira via

Um grupo de parlamentares do PSL defende a indicação de um terceiro nome, que não seja Eduardo ou Waldir, para comandar o partido na Câmara, com a intenção de pacificar o clima dentro da legenda. Esse movimento parecia ter conquistado uma maioria ontem, após um aceno do deputado goiano que publicou ontem um vídeo dizendo que aceitava sair do cargo.

A paz, no entanto, durou pouco tempo. Ainda na segunda, o grupo comandado pelo filho do presidente protocolou uma nova lista para colocar Eduardo na liderança, o que provocou a resposta dos parlamentares aliados a Waldir.

Segundo Olímpio, Eduardo se portou com filho do presidente e não como parlamentar da bancada.  "Se tivesse tido a humildade, calçado a sandalha da humildade, para conversar com o partido e não tentar empurrar goela abaixo, isso não estaria acontecendo neste momento", afirmou.

>Liderança do PSL: leia quem são os deputados pró-Eduardo e os pró-Waldir

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!