Nas redes sociais, bolsonaristas atacam Maia por plano de socorro a estados

Os efeitos da pandemia de covid-19 impuseram grandes mudanças ao chamado Plano Mansueto. O texto, que inicialmente previa medidas de austeridade fiscal aos estados, acabou virando um plano de ajuda emergencial para que os governadores tenham mais recursos para o combate ao coronavírus. 

> Acesse de graça por 30 dias o melhor conteúdo jornalístico premium do país

O governo resiste a esse movimento de aumentar a distribuição de recursos federais aos governadores. A falta de acordo levou ao adiamento da votação da matéria; desta quinta-feira (9) para a segunda-feira (13).

Enquanto a disputa política acontece nos bastidores de Brasília, os bolsonaristas se mobilizam nas redes sociais para atacar o plano de ajuda. Nesta quinta-feira, uma das hashtags mais populares no Twitter  é a #PL149Original, que defende o texto original do Plano Mansueto, mais voltado a medidas estruturantes de responsabilidade fiscal.  A narrativa dos apoiadores de Bolsonaro é de que os deputados, liderados por Rodrigo Maia (DEM-RJ) fazem alarmismos sobre a pandemia de covid-19 para conseguir mais recursos federais. Nesta quarta-feira, o número de mortos pela doença no Brasil chegou a 800.

O que está em jogo, na verdade, é a “paternidade” de medidas de mitigação dos efeitos da pandemia. Ao repassar o dinheiro aos governadores, Bolsonaro não terá facilidade em se apropriar do bônus política das medidas - como aconteceu, por exemplo, no caso do auxílio emergencial de R$ 600. 

Nas contas do governo, o auxílio a estados vai onerar o caixa federal em RS 180 bilhões, sendo RS 36 bilhões em transferências diretas e RS 144 bilhões em empréstimos.

> Últimas notícias sobre a pandemia de covid-19

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!