Ex-ministros da Defesa e OAB defendem PEC que barra militar em cargo civil

Cinco ex-ministros da Defesa emitiram nesta quarta-feira (14) nota em apoio à  PEC 21/2021, protocolada mais cedo pela deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) e que impede que militares da ativa assumam cargos públicos de natureza civil. Assinam a manifestação: Nelson Jobim, Celso Amorim, Jaques Wagner, Aldo Rebelo e Raul Jungman.

A proposta prevê a adoção das mesmas regras já aplicadas a militares no trecho da Constituição sobre direitos políticos, segundo o qual só são elegíveis os militares da reserva ou que, estando há menos de dez anos na corporação, afastem-se da atividade.

O conteúdo deste texto foi publicado antes no Congresso em Foco Insider, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

>> Leia a íntegra da PEC

Na nota, os ex-ministros reafirmam que as Forças Armadas são instituições de Estado. “Permanentes, nacionais e regulares, organizadas com base na disciplina e na hierarquia, não se confundem com governos, pois sua razão de ser é a defesa da Pátria e da soberania”.

“A Proposta de Emenda Constitucional apresentada pela deputada Perpétua Almeida propõe, em boa hora, a regulamentação da participação de militares da ativa em funções de governo, separando aquelas de natureza técnica e que podem ser atribuídas à militares, daquelas que permitam o risco da politização das Forças Armadas com consequências nocivas para estas instituições e para o país. A tramitação da matéria, em frutífero diálogo entre o Parlamento e as Forças Armadas, fortalecerá a democracia”, afirmam os signatários.

O presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, também se manifestou em defesa da PEC. “O Congresso Nacional tem, com a referida proposta, uma grande oportunidade de debater, de forma ampla e democrática, a regulamentação da participação de membros das Forças Armadas nos governos. Trata-se de preservar a democracia e proteger as Forças de processos de politização”, diz.

A PEC foi protocolada após receber o apoio de 185 parlamentares – o número mínimo de assinaturas exigido para a proposição de uma emenda à Constituição é de 171. “É imperativo constitucional que as Forças Armadas se mantenham apolíticas, como instituições de Estado que são”, afirmou a deputada.

>> Saiba quem apoiou a PEC

A deputada apresentou o texto no ano passado, quando o general Eduardo Pazuello assumiu o Ministério da Saúde. Porém, a discussão do tema e o apoio à proposta ganharam forças desde que o Exército decidiu não punir Pazuello por participar de uma manifestação política de apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

>> Com obstrução intestinal, Bolsonaro é transferido para SP para possível cirurgia

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo