Maia prepara “orçamento de guerra” contra coronavírus. Entenda a proposta

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), trabalha para aprovar uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que cria uma espécie de orçamento paralelo para este ano. A proposta foi encaminhada por ele à equipe econômica como medida de combate à crise sanitária e econômica provocada pelo coronavírus. Mas ainda há dúvidas sobre o andamento da PEC na Casa.

De acordo com o que ele tem chamado de “orçamento de guerra”, as verbas não serão incluídas no planejamento oficial de 2020 aprovado no final do ano passado pelo Congresso. Maia tem dito a líderes partidários que o valor reservado para combater o covid-19 e os seus efeitos econômicos deve girar entre R$ 400 bilhões e R$ 500 bilhões.

Assinantes do Congresso em Foco Premium receberam com antecedência as informações constantes desta matéria. Assine agora você também!

“O Parlamento prepara uma proposta de emenda à Constituição para segregar o orçamento da União de forma a atender às necessidades de enfrentamento à crise do coronavírus”, disse Maia em mensagem publicada nas redes sociais.

Com covid-19, presidente do Senado pede “diálogo construtivo” entre poderes

A iniciativa não é consenso na Câmara dos Deputados. Um deputado do Centrão, que reúne representantes do PP, Solidariedade, Republicanos, PL e DEM, disse ao Congresso em Foco que o decreto de calamidade já deixa “o governo agir livremente” e, por isso, já é suficiente.

Também há dúvidas quanto à tramitação da PEC, porque a Câmara ainda não instalou a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que está sem presidente há quase dois meses. A CCJ é ponto de partida para a apreciação de uma proposta de emenda constitucional.

De acordo com um dos principais aliados de Maia, o presidente nacional do MDB e líder da sigla na Câmara, Baleia Rossi (SP), a tramitação será debatida ao longo desta semana.

Já foi aprovado pelo Poder Legislativo o estado de calamidade pública, dispositivo que permite o governo ampliar o déficit programado para 2020. No entanto, a intenção do deputado do DEM e aliados é garantir que as despesas contraídas a mais sejam destinadas para o combate ao coronavírus.

Mesmo com o estado de calamidade pública aprovado e a possibilidade de contrair despesas ampliada, ainda há diversas regras da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) que, mesmo que não impeçam, retardam a destinação de recursos para ações de combate à doença.

“Estamos propondo essa PEC para que a estrutura técnica do governo, de todas as áreas, tenha mais tranquilidade para decidir o gasto público”, afirmou o presidente da Câmara.

Em evento online promovido pelo banco BTG Pactual na segunda-feira (23), Maia defendeu que a PEC regulamente a criação de um grupo fiscalizador do orçamento com participação do Poder Executivo, Legislativo, Judiciário e do Tribunal de Contas da União. A ideia, segundo ele, é separar o "orçamento da crise" do orçamento fiscal do ano com o objetivo de não gerar um impacto de aumento de despesa em um momento de desaceleração da economia.

Após reação do Congresso, Bolsonaro revoga suspensão de contrato de trabalho

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!