Maia esfria discussão sobre impeachment e pede equilíbrio a deputados

Após dias sem falar com a imprensa, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira (27) que o Parlamento não pode ser instrumento de crise e incertezas. Maia expressou preocupação com a crise política que, segundo ele, vai acelerar ainda mais as incertezas e a piora de indicadores como a taxa de desemprego.

“O que nós não podemos, de forma nenhuma, é deixar que o Parlamento seja mais um instrumento de crise e de incertezas que infelizmente hoje têm sido geradas no nosso país”, disse ele a jornalistas.

Câmara analisa transferência de recursos do Sebrae para a Embratur

O deputado defendeu que o foco recaia na agenda de ações para enfrentamento à covid-19. “A Câmara deve manter o seu foco naquilo que é principal, que é o enfrentamento ao coronavírus. A gente precisa ter paciência e equilíbrio para que a gente não amplie ainda mais uma crise que é do poder Executivo e que acredito que lá ela deva ficar. Aqui no Parlamento a gente deve construir as soluções.”

Questionado sobre a abertura de CPI para investigar as acusações feitas pelo ex-ministro Sergio Moro e pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, que já chegam a quase 30, Maia se colocou na posição de juiz e defendeu paciência e equilíbrio dos parlamentares. “Todos esses processos precisam ser pensados e refletidos com muito cuidado”, disse ele.

Troca de ministros

Ao comentar as saídas de Luiz Henrique Mandetta e de Sergio Moro do governo, Maia disse que nomeações e exonerações são “problema do governo”, mas admitiu que trocas ministeriais sempre geram insegurança no meio de uma pandemia.

Ele amenizou o discurso em relação ao ministro da Economia, Paulo Guedes, a quem dirigiu críticas mais fortes nas últimas semanas. Segundo o deputado, o ministro goza de credibilidade e uma mudança agora, como foi ventilada nos bastidores nos últimos dias, pode ser interpretada de forma negativa pela sociedade.

“O que a gente espera é que, com menos turbulência, todos em conjunto possam construir um caminho para que o Brasil possa superar essa crise com um dano menor, com um número menor de perda de vidas, com um número menor de desempregados e, principalmente, com a renda não caindo tanto”, disse ele.

PEC de autonomia da PF

Maia disse achar difícil pautar neste momento uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que dê autonomia à Polícia Federal, como vem sido defendido por entidades de classe e deputados federais. “Acho que não é hora de discutir questões estruturais”, disse ele, lembrando que o Senado não pretende votar mais nenhuma alteração constitucional. Ele defendeu que essas questões sejam tratadas depois de passada a pandemia.

Plano de auxílio a estados

Maia disse que vai esperar a apresentação do texto de auxílio a estados e municípios pelo Senado e disse não haver preferência pelo texto da Câmara. “O que precisa ir à sanção é uma solução que garanta as condições para que estados e municípios possam continuar funcionando”, disse ele. O presidente Davi Alcolumbre se reuniu na tarde desta segunda-feira (27) com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para tratar do assunto.

Planalto tenta fechar acordo para votar auxílio aos estados nesta semana

“Eu não critico a demora ou não, porque a Câmara também muitas vezes também demora para votar os projetos”, disse ele ao ser questionado sobre a demora dos senadores para apresentar um texto.

O Senado vai tentar votar até o fim desta semana a proposta de socorro aos estados. O governo federal procura construir um entendimento com governadores para fazer mudanças no texto aprovado pela Câmara. De acordo com o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), a intenção é que o projeto seja apreciado até quinta-feira (30). O emedebista ressalta que as negociações com os governadores ainda estão em andamento.

> Cadastre-se e acesse de graça, por 30 dias, o melhor conteúdo político premium do país   

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!