Maia: “Entre pólvora, maricas e risco de hiperinflação, temos 160 mil mortos”

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), rebateu as declarações dadas nesta terça-feira (10) pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Maia disse ainda ser solidário a todos os parentes e amigos de vítimas da covid-19.

Em discurso feito na tarde desta terça-feira no Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro defendeu que o país tenha pólvora para fazer frente a ameaças internacionais em torno da Amazônia. Ele não citou explicitamente a quem fazia referência, mas deixou implícito se tratar de Joe Biden, que venceu a eleição americana.

“O Brasil é um país riquíssimo. Assistimos há pouco um grande candidato à chefia de Estado dizer que se eu não apagar o fogo da Amazônia levanta barreiras comerciais contra o Brasil. E como é que nós podemos fazer frente a tudo isso? Apenas a diplomacia não dá, né, Ernesto?”, disse ao chanceler brasileiro, Ernesto Araújo. “Porque quando acabar a saliva, tem que ter pólvora, se não, não funciona. Precisa nem usar a pólvora, mas precisa saber que tem”, continuou.

No mesmo discurso, Bolsonaro fez críticas à geração atual que se preocupa com a pandemia de covid-19. “Lamento os mortos. Todos nós vamos morrer um dia. Não adianta fugir disso, da realidade. Tem que deixar de ser um país de maricas”, disse. “A geração hoje em dia é Toddynho, Nutella, ‘Zap’”.

Em outro evento, também nesta terça, Guedes disse que  o país pode “ir para uma hiperinflação muito rápido” se não rolar a dívida satisfatoriamente"

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!