Joice diz que denúncia contra marido é “absurda” e feita por “petista”

A deputada federal Joice Hasselmann foi para as redes sociais defender seu marido, o médico Daniel França Mendes de Carvalho, que é investigado pelo Ministério Público de São Paulo por supostos atendimentos médicos não prestados. Segundo Joice, o caso se trata de uma "denúncia absurda feita por uma petista". Segundo investigação da Promotoria, a empresa Nevro Serviços Médicos atuava com empresas subcontratadas pelos gestores de um hospital no Vale do Ribeira, interior de São Paulo.

> Partidos da direita e do centro formam novo bloco com quase 70% da Câmara

Joice contra-atacou e protocolou junto ao Ministério Público de São Paulo um ofício solicitando celeridade na investigação. "Uma denúncia infundada feita por uma vereadora petista que tem nítida intenção política e eleitoral!", disse em publicação nas redes sociais.

"É isto que os petistas fazem para tentar enganar a população e tumultuar as eleições", publicou. "Confio nas nossas instituições e no trabalho do Ministério Público", concluiu.

A microempresa de neurologia, que mantém sede em Teresina (PI), foi contratada após o segundo turno das eleições de 2018. O jornal Estado de São Paulo obteve o contrato e exibiu na reportagem que mostra que a empresa de Daniel deveria fornecer três vezes por semana um "profissional para o atendimento de cirurgias eletivas no centro cirúrgico", neurocirurgião para visitas médicas diárias, além de um neurologista que atuaria a distância 24 horas por dia.

A reportagem aponta ainda que a Nevro não realizou nenhuma neurocirurgia, mas os pagamentos foram feitos. A denúncia, conforme apresentou o Estadão, mostra que um paciente chegou a ser encaminhado ao hospital para uma neurocirurgia, porém o paciente não chegou a ser atendido e morreu. No período, segundo contrato que o jornal teve acesso, a Nevro recebeu R$ 595 mil no período.

O Instituto Sócrates Guanaes (ISG) gerencia o HRR e contratou a Nevro e foi um dos alvos da CPI que investigou a terceirização de hospitais em São Paulo. O relatório da CPI que foi produzida pela Assembleia Legislativa de São Paulo apontou indícios de "contratos superfaturados" com empresas terceirizadas.

A reportagem do Estadão mostra que a Promotoria investiga o recebimento de R$ 6 milhões por mês desde que o hospital começou a funcionar. Porém, segundo levantamento que o jornal fez nos sistemas da Secretaria Estadual da Fazendo, no ano passado o ISG recebeu R$ 63 milhões para gerenciar o hospital e fornecer os profissionais.

Em nota, o ISG disse que a Nevro prestou atendimento ambulatorial entre novembro de 2018 e fevereiro de 2019. A reportagem mostra ainda que o instituto afirma que a empresa foi contratada segundo o Regulamento de Compras e Serviços do ISG. "Não existem pagamentos a fornecedores por serviços não executados."

Também ao Estadão, o médico Daniel França disse que enquanto não realizou neurocirurgias, ele trabalhou na estruturação do centro cirúrgico do hospital. "Acompanhei toda a estruturação do local (...). Os pagamentos que recebi foram graduais". O médico saiu em defesa da esposa, e disse que o processo de contratação de sua empresa começou em agosto, "quando nem Joice nem [João] Doria estavam eleitos".

Ao Estadão, a assessoria Joice Hasselmann disse que é mentira que a empresa do marido tenha recebido pagamentos por serviços não prestados.

> Meio ambiente é alvo de nova ofensiva no Congresso em 2020

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!