Janot deve ir à CCJ para abrir as entranhas do poder, diz Francischini

O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deverá ser convidado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) a comparecer no colegiado para esclarecer os fatos que teriam ocorrido enquanto esteve à frente da Procuradoria Geral da República (PGR).

Felipe Francischini, presidente da CCJ, disse nesta terça-feira (1), acreditar que Janot tem o desejo de revelar os bastidores da operação Lava Jato. "Ele tem muito a falar e já mostrou que quer realmente abrir as entranhas do poder e mostrar à sociedade brasileira tudo o que aconteceu na Operação Lava Jato e em outras operações que ele tocava enquanto procurador-geral da República", disse Francischini.

> Rodrigo Maia diz que foi ameaçado por governador

O requerimento apresentado hoje, é o primeiro item na pauta da  CCJ desta quarta-feira (2). Dentre os assuntos que Janot terá que explicar, está o planejamento que fez de matar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes. "O objetivo é para  maiores esclarecimentos sobre essa questão envolvendo o ministro Gilmar Mendes, naquela questão que foi um pensamento de assassinato", disse o presidente da comissão.

O relator do convite, deputado Delegado Pablo (PSL-AM), afirmou que existe um acordo para que seja aprovado o requerimento. "Agente tem um acordo entre a esquerda e a direita. Todas as áreas querem saber dele, então vamos questionar", disse o parlamentar.

Também deverão ser convidados o ex-ministro da Justiça Zé Eduardo Cardoso e do ex-chefe de gabinete de Janot, o procurador federal Eduardo Pelela.

> Guedes promete pacto federativo para aplacar críticas à Previdência

> Contribua para o jornalismo independente!

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!