Relator propõe reduzir IR sobre empresas para 2,5%

O deputado Celso Sabino (PSDB-PA), relator do projeto de lei que altera as regras do Imposto de Renda, apresentou nesta terça-feira (13), ao colégio de líderes, uma versão prévia do substitutivo que vai à plenário.

A principal mudança é uma redução ainda maior do imposto de renda sobre as pessoas jurídicas, o IRPJ. O tucano propõe que a alíquota  geral caia dos atuais 15% para  5% no ano que vem e 2,5% a partir de 2023.

No texto enviado pelo governo ao Congresso a previsão era reduzir de 15% para 12,5% em 2022, chegando a 10% a partir de 2013. A alíquota vale para empresas com lucro mensal de até R$ 20 mil.

Veja a íntegra:

Pelos cálculos da equipe econômica citados pelo relator, a redução da carga tributária prevista pelo substitutivo diminuirá a arrecadação em cerca de R$ 30 bilhões. O valor, afirma, considera um impacto total estimado em R$ 115 bilhões, sendo que em torno de R$ 85 bilhões devem ser compensados com a taxação de lucros e dividendos, com a economia a partir de proibições aos chamados supersalários e ainda, segundo Celso Sabino, com a taxação de benefícios como o auxílio moradia e transporte.

Sabino afirma que deve protocolar o substitutivo até sexta (16) e que Lira só deve pautar o texto quando houver consenso e após serem feitos todos os debates e esclarecimentos sobre a proposta. Porém, a previsão é de a medida ser votada ainda este ano. “O sentimento na reunião de líderes é que agora essa proposta vai andar muito mais rápido”, afirmou o líder do Novo, deputado Vinicius Poit (SP) após a reunião.

Lucros e dividendos

Entre as mudanças propostas no substitutivo está a previsão de que a desoneração a alguns fundos de investimentos seja mantida. De acordo com o tucano, a isenção deve ser mantida a fundos que contribuem com o crescimento do país como os ligados ao Fiagro, à infraestrutura, à pesquisa e à inovação.

De acordo com o deputado, as medidas visam reduzir a carga tributária sobre o capital produtivo e quem empreende e gera empregos. Porém, afirmou, para isso a taxação de dividendos deve ser de 20%. A alíquota, cita, ainda é menor do que a aplicada por países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Para equilibrar as contas, Sabino também afirmou que devem ser cortados benefícios à cerca de 20 mil empresas dos setores de cosméticos, medicamentos, aeronaves, embarcações e ainda termelétricas.

> IRPF: Governo propõe restringir declaração simplificada a renda anual de até R$ 40 mil

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo