Incertezas crescem com acirramento de confronto entre Bolsonaro e Congresso

Ainda não se sabe como, mas o Congresso promete reagir às provocações feitas pelo presidente Jair Bolsonaro nesse domingo (15). Contrariando os protocolos médicos e políticos, Bolsonaro interagiu por mais de uma hora com manifestantes em frente ao Palácio do Planalto. Atrás dele, cartazes pedindo fechamento do Congresso e “fora, Maia”.

O presidente foi criticado por ter descumprido recomendações do próprio Ministério da Saúde, para evitar aglomerações e se manter longe de pessoas por ter tido contato em sua viagem aos EUA com assessores infectados pelo coronavírus. E por ter jogado mais água quente na fervura política.

Em entrevista à CNN Brasil à noite, Bolsonaro desafiou os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), a saírem às ruas com ele para ver como seriam recebidos. Disse estar disposto a se reunir com os dois, até mesmo hoje, para tratar de assuntos políticos e acabar com “picuinhas”.

O conteúdo deste texto foi publicado antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

Faixa contra o Supremo e o Congresso segurada por manifestantes neste domingo (15). Foto: Edson Sardinha/Congresso em Foco

Em vez de sinal de trégua, o gesto é visto como mais uma provocação de Bolsonaro aos presidentes da Câmara e do Senado. Maia e Davi haviam criticado o presidente por ter contrariado as recomendações de seu próprio governo para evitar a propagação da doença, por ter apoiado manifestação contrária à democracia e por não ter dado até o momento respostas concretas à crise do coronavírus.

A pauta do Congresso ainda está incerta por causa das medidas de prevenção ao novo coronavírus. A Câmara e o Senado restringiram os trabalhos nesta semana, dispensando de presença, inclusive, deputados maiores de 60 anos e senadores com mais de 65. Audiências públicas estão suspensas no Senado. Isso pode ter efeito sobre o calendário de votações.

Vários parlamentares que tiveram contato com infectados semana passada aguardam resultado de teste. Não está totalmente descartada a possibilidade de um recesso caso sejam confirmados novos casos de infecção envolvendo congressistas e servidores. Mesmo que isso não ocorra, as restrições de financiamento das duas Casas devem impactar o ritmo e o conteúdo da agenda.

O ambiente é hostil para a construção de consensos entre os dois poderes. O clima ficou mais adverso para a reforma administrativa, que nem foi enviada pelo governo, e incerto para a reforma tributária, que continua a ser discutida em comissão mista sem, até o momento, sugestões do Executivo.

Cobrado pelo Congresso, o Ministério da Economia promete para o início desta semana, possivelmente ainda hoje, o anúncio de medidas econômicas para conter os efeitos da crise agravada pelo alastramento do coronavírus.

Em entrevista à Folha de S.Paulo nesta segunda, o ministro Paulo Guedes fez mea culpa, mas não deixou de dividir com o Congresso a responsabilidade pelo atraso nas reformas. “Não estou reagindo ao Maia. Estou estendendo a mão a ele. E faço aqui o mea culpa. Reforma administrativa: nós demoramos. Reforma tributária: estou me explicando. Vocês derrubaram um pilar da minha reforma, o imposto sobre transações, a ponto de cair um secretário meu.”

A agenda do dia do ministro não havia sido divulgada até o início desta manhã. Bolsonaro promete criar um gabinete contra crise ainda nesta segunda-feira.

Veja o que está previsto para esta semana:

CONGRESSO

Semana começa sob grande indefinição

O relator do orçamento, deputado Domingos Neto. Foto: Lauriberto Pompeu/Congresso em Foco

Os presidentes da Câmara e do Senado editaram normas internas ajustando a rotina do Congresso, com restrição de audiências públicas, dispensando parlamentares e servidores com mais idade de presença, entre outras medidas para prevenção ao coronavírus. Novas decisões, no entanto, podem ser tomadas a qualquer momento.

Vários parlamentares fizeram o teste para saber se estão infectados. Não está descartada a suspensão dos trabalhos conforme o alcance da doença no Congresso.

Orçamento impositivo

Em princípio está confirmada a realização de sessão do Congresso nesta terça (11) para analisar nove vetos presidenciais e três projetos de lei sobre o orçamento impositivo.

Os projetos fazem parte do acordo dos parlamentares com o governo para encerrar a polêmica sobre o veto a dispositivo que tornava obrigatória a execução de emendas do relator-geral do Orçamento, deputado Domingos Neto (PSD-CE), no valor de mais de R$ 30 bilhões.

Reforma tributária

A comissão mista da reforma tributária havia acertado para esta terça audiência com o ministro Paulo Guedes. Na ocasião ele também deveria entregar as sugestões do governo à reforma. Ao lado dele também deveria estar presente o secretário especial da Receita, José Barroso Tostes Neto. Em meio ao impasse criado pelo coronavírus, a audiência ainda não está confirmada e pode sofrer adiamento.

CÂMARA

13º do Bolsa Família na pauta do plenário

O plenário poderá votar a medida provisória que torna permanente o pagamento de 13º salário para os beneficiários do Bolsa Família.

Originalmente, a MP 898/19 previa o pagamento do abono natalino apenas em 2019, mas o relator da MP, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), propôs o pagamento em todos os anos, bem como a extensão do 13º para quem recebe o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

O impacto das mudanças sugeridas é de R$ 7 bilhões.

A medida, entretanto, depende de adequação dos limites do teto de gastos e da aprovação de crédito suplementar pelo Congresso Nacional para contornar a regra de ouro.

SENADO

PEC Emergencial

O senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) deve apresentar na quarta-feira (18), na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), seu relatório para a PEC da Emergência Fiscal.

Em princípio, a reunião está mantida pela presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS). Mas, assim como os demais eventos do Congresso, está sujeita a alterações. A expectativa é que o texto seja votado no dia 25 ou na primeira semana de abril.

Autonomia do Banco Central

Os senadores podem votar a partir desta terça o projeto que estabelece a autonomia do Banco Central. O governo tem proposta parecida com os deputados.

Por acordo entre as duas Casas, o texto do Senado será analisado em conjunto com o da Câmara.

Como se trata de um projeto de lei complementar, precisará do apoio de ao menos 41 dos 81 senadores para avançar até a Câmara. A oposição já avisou que votará contra a proposta.

EXTRAPAUTA

Semana começa com nova tempestade sobre as bolsas

Assim como no último dia 9, as principais bolsas do mundo começam a semana sob forte queda nesta segunda-feira (16). A agitação se dá pelo tombo da economia chinesa e pelo anúncio na noite desse domingo do segundo corte (em 12 dias) na taxa de juros dos Estados Unidos, numa tentativa de combater os impactos da pandemia de coronavírus.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!