Pré -candidatura de Glauber Braga à presidência divide Psol

O anúncio da pré-candidatura do deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ) à presidência nas eleições de 2022, nesta segunda-feira (10), dividiu o partido. Enquanto a maior parte da bancada demonstrou apoio ao nome, houve quem fizesse críticas abertas à escolha.

Pela manhã, o anúncio de Glauber veio pelo Twitter. Segundo o parlamentar, que completa 40 anos em junho de 2022, a pré-candidatura no Psol não seria impeditivo para um plano de união nacional de legendas de esquerda contra a reeleição de Jair Bolsonaro.

A deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP), esposa de Glauber, também defendeu o direito do partido defender sua agenda.

A mesma razão foi defendida pela deputada Vivi Reis (PSOL-PA) para defender a pré-candidatura. "Numa eleição de dois turnos, não há porque desistir de apresentar um novo projeto para o Brasil", escreveu a deputada.

Houve quem fizesse o apoio com reservas. A deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS) disse apoiar a pré-candidatura, mas afirmou haver outras prioridades.

A discordância pública, no entanto, veio da deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ), líder da bancada na Câmara. Talíria disse que é direito de qualquer filiado do partido lançar pré-candidato. "Nossa lealdade e carinho com o companheiro não nos impede de discordar dele", advertiu.

Para a parlamentar fluminense, a decisão é "precipitada" ao colocar as eleições de 2022 antes das lutas que o partido precisaria encampar este ano. "Pra lutar contra Bolsonaro precisamos de unidade. Unidade ampla para derrubar o genocida e garantir as liberdades democráticas, e uma unidade popular para lutar pelos direitos e a vida das trabalhadoras e trabalhadores", escreveu, antes de concluir: "sem unidade, seremos derrotados."

O posicionamento aberto por Talíria chegou a ser rebatido por Sâmia, que também já liderou a bancada na Câmara. "Afirmar que o Glauber coloca as eleições na frente das lutas para derrotar Bolsonaro hoje não é nada honesto", escreveu. "Parece que não o conhece, ou não leu nenhuma entrevista."

Em 2018, o partido teve como candidato Guilherme Boulos, que no ano passado disputou o segundo turno da prefeitura de São Paulo contra Bruno Covas (PSDB-SP).

Pelas redes sociais, Sâmia voltou a falar sobre a articulação do partido e defendeu os debates da legenda para 2022:


> Bolsonaro parabeniza Polícia Civil do RJ após chacina em Jacarezinho
> CPI da Covid ouve representantes da Anvisa, Pfizer e Wajngarten essa semana

Continuar lendo