Gabinete paralelo e tratamento precoce voltarão ao radar da CPI

Após denúncias apresentadas pelo senador Humberto Costa (PT-PE), a CPI da Covid quer ouvir um representante da empresa Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, que já teve a convocação aprovada pela Comissão no dia três de agosto deve ter a oitiva marcada para as próximas semanas. Com isso, o chamado "gabinete paralelo", grupo de aconselhamento fora das diretrizes do Ministério da Saúde sobre a gestão da pandemia de covid-19  volta ao radar da CPI. 

O parlamentar expôs um processo que está sendo movido por um grupo de profissionais médicos ligados à empresa. De acordo com o senador Humberto, a organização coagiu os profissionais a adotarem as orientações do “tratamento precoce”. “Inclusive aqueles que, em algum momento, se recusaram a implementar essas medidas foram demitidos”, informou o parlamentar.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI, e o senador Omar Aziz (PSD-AM),presidente da Comissão,  concordaram em agendar a oitiva. “Nós estamos na reta final, mas muita coisa ainda dá para ser feita, e evidentemente não é prudente nós deixarmos de ouvir, com a gravidade exposta, um representante da Prevent Senior”, disse Renan.

O senador Humberto Costa considera que o depoimento de Pedro Batista pode ajudar as investigações da CPI a enquadrar o Governo Federal no crime contra a humanidade e no crime de genocídio.

"Para que se tenha uma ideia do crime que aconteceu lá, os profissionais de saúde foram proibidos de usar EPIs. Há, inclusive, uma determinação que aqui consta do processo da utilização de máscaras, porque o objetivo era exatamente disseminar o vírus, no ambiente hospitalar, para que, assim, pudesse ser feita uma pesquisa que constava da utilização de cloroquina, de azitromicina, de ivermectina com os pacientes", relatou Humberto Costa.

A pesquisa teve início no dia 6 de abril, sem a autorização do Conselho Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), no dia 14 do mesmo mês o Conep liberou o estudo, porém seis dias depois o Cope proibiu a prática.

“Uma das coisas que o hospital orientava era que os pacientes e os seus familiares não tivessem conhecimento de que essa experiência estava sendo feita, que não tivessem conhecimento de que estavam sendo administrados esses medicamentos. A informação que se tem é que isso foi um acerto entre a direção do hospital e o Governo Federal, contra aquelas orientações que havia do Ministério da Saúde, no período do ministro Mandetta. E o chamado gabinete paralelo estaria por trás dessa... Ele era o elo entre o Prevent Senior e o Governo Federal”, relatou Humberto Costa.

Os senadores da CPI lembraram que quem aproximou o Governo Federal da Prevent Senior foi a médica Nise Yamaguchi, uma das principais defensoras do tratamento precoce que não tem eficácia contra a covid-19. Os parlamentares também rememoraram que a maior parte do público da Prevent Senior é de idosos. De acordo com Humberto Costa, a pesquisa teve o apoio de farmacêuticas que lucraram com o kit covid. “Foram 700 pessoas, até o dia 20 de abril, que foram tratadas dessa maneira”, disse.   

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo