Financial Times vê o Brasil à beira do abismo fiscal

O jornal inglês Financial Times, o mais influente de economia na Europa, fez nesta segunda-feira (25) em seu editorial diversas críticas à condução do presidente Jair Bolsonaro na economia.

De acordo com a publicação, o Brasil elevou muito os gastos durante 2020 com o auxílio emergencial, que dava uma renda para trabalhadores informais. No começo, o benefício era de R$ 600, mas passou a ser de R$ 300 de setembro a dezembro. Em janeiro, o auxílio deixou de existir.

"O presidente Jair Bolsonaro gastou mais que qualquer outro país emergente, de acordo com o Instituto Internacional de Finanças, impulsionando os gastos do governo federal em quase 40% entre janeiro e novembro de 2020", diz o Financial Times.

O jornal inglês também reclamou sobre a falta de análise da reforma administrativa."Reformas vitais para cortar altos salários e regalias dos trabalhadores do setor público continuam paradas no Congresso."

"A maior parte da dívida brasileira de R$ 4,8 trilhões é de curto prazo e os vencimentos estão ficando apertados, quase 30% vencem no próximo ano. A inflação, um antigo pesadelo, está marcando em cima. Os mercados estão estimando um forte aumento na taxa de juros, começando neste ano. Até Bolsonaro declarou que o país está quebrado", disse a publicação.

>Impeachment de Bolsonaro é inviável no momento, diz Simone Tebet

Continuar lendo