Excluída de homenagem, Benedita é uma das principais opositoras de Bolsonaro na Câmara

A deputada Benedita da Silva (PT-RJ) foi retirada do rol de personalidades negras mantido pela Fundação Palmares, que é presidida pelo bolsonarista Sérgio Camargo. No Twitter, Camargo chamou Benedita de “ícone da esquerda vitimista”. A deputada é uma das mais ativas opositoras ao governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados.

> Mulheres que pintam o país com a cor da esperança

Dados do Radar do Congresso, ferramenta exclusiva do Congresso em Foco, revelam que Benedita tem um índice de alinhamento com o governo de 24%. De modo geral, na Câmara, esta taxa é de 78%; entre as mulheres, 71%.

Além de votar contra o governo, Benedita também é uma das oradoras com críticas mais frequentes ao governo em plenário. Dos 59 discursos que já fez em 2020, a maior parte foi em repúdio a ações do governo

“Bolsonaro se coloca, então, como vítima e convoca todos a irem às ruas para defendê-lo. Um Governo não precisa de defesa se ele estiver cumprindo a Constituição, mas, quando não cumpre a Constituição, esse Governo fica sem respaldo, porque não é só para apoiá-lo, é para fechar o Congresso Nacional, é para fechar o Supremo, as instituições democráticas criadas”, disse em discurso no dia 12 de março.

A deputada foi premiada em duas categorias do prêmio Congresso em Foco 2020. Pela votação do público ela ficou em nono lugar entre os melhores da Câmara e entre os destaques na categoria Clima e Sustentabilidade.

> Exclusivo: os 12 partidos que formam a base fiel do governo na Câmara

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!