Deputados querem que ministro da Justiça explique dossiê contra antifascistas

Sete deputados federais apresentaram um requerimento de convocação para que o ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, explique à Câmara a confecção de um dossiê, desenvolvido pela pasta, que contém informações sobre servidores e docentes universitários considerados  membros do "movimento antifascismo".

> Membro da ONU, Sergio Pinheiro compara dossiê do governo com a ditadura

O documento que pede a convocação do ministro foi assinado nesta segunda-feira (27) pelos deputados federais Fábio Trad (PSD-MS), Rubens Bueno (PPS-PR), Raul Henry (MDB-PE), Gustavo Fruet (PDT-PR), Arnaldo Jardim (PPS-SP), Gastão Vieira (Pros-MA) e Samuel Moreira (PSDB-SP), e encaminhado ao presidente da Câmara.

No requerimento, os parlamentares se apoiaram em fatos relatados em reportagem do colunista Rubens Valente, do portal de notícias UOL, que noticia que o dossiê começou a ser desenvolvido em junho e de maneira sigilosa pela Seopi (Secretaria de Operações Integradas), repartição que integra o ministério conduzido por André Mendonça. Ainda de acordo com o colunista, 579 nomes de servidores federais e estaduais constam como investigados por supostamente fazerem parte do "movimento antifascismo".

No requerimento enviado pelos deputados não é informado a data prevista para que o ministro vá ao plenário da Casa, mas os deputados pedem urgência.

"Tais ações são abomináveis e deploráveis, pois usam o escudo imposto ao controle externo, com as alegações da legitimidade e eficiência da atividade de inteligência -, para executar ações ilegais contra aqueles que se manifestarem contra o governo, em verdadeira afronta ao debate público, o que não deve ser admitido por este parlamento, uma vez que tais atos remetem ao período ditatorial", argumentam os congressistas no documento.

Veja abaixo a íntegra do requerimento.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!