Deputada vê “tempos apocalípticos”, em sessão contra Cristofobia na Câmara

"Cristo é Rei e deve governar as nações." Foi com esse pensamento que a deputada Chris Tonietto (PSL-RJ) discursou na manhã desta segunda-feira (25) em um plenário vazio da Câmara, durante uma sessão solene em combate à Cristofobia e em homenagem ao dia de Cristo Rei, celebração que marca o fim do ano litúrgico para os católicos.

> Congresso tenta aumentar para R$ 4 bilhões verba para candidatos

"Nós estamos voltando ao calvário, nós estamos vivendo tempos sombrios, eu diria, tempos apocalípticos, em que a fé tem sido ultrajada, em que igrejas têm sido violadas, em que cristãos no mundo inteiro têm sido perseguidos", disse a parlamentar.

Advogada católica, Chris está em seu primeiro mandato na Câmara, após conseguir 38 mil votos em 2018. Nesses primeiros meses, a parlamentar apresentou projetos para aumentar a pena de crimes contra sentimento religioso, para definir direitos do nascituro e para instituir o projeto Escola sem Partido, entre outros.

Na sessão de hoje, realizada a seu pedido, a parlamentar defendeu que Cristofobia afeta "duramente" os cristãos do Brasil e do mundo. "E, no nosso dia a dia, nós também percebemos a perseguição. Há aqueles que dizem que não existe perseguição sistemática aos cristãos... Com todas as vênias, nós sofremos e sentimos duramente essa perseguição ao proclamar Cristo Rei, muitas vezes desta tribuna", afirmou.

A deputada, no entanto, afirmou que a "volta ao calvário" não pode ser motivo de "sofrimento" para os cristãos, uma vez que Jesus já teria os exortado. "Católicos, nós temos que ir para o combate. A honra da santa igreja Católica também tem sido duramente manchada e, muitas vezes, por aqueles que se dizem católicos, mas que mancham a imagem da igreja por defenderem ideologias nefastas, inclusive nesta Câmara dos Deputados", disse.

Relação histórica

Chris Tonietto afirmou que a história do povo brasileiro é ligada ao cristianismo e lembrou a realização de uma missa na chegada dos colonizadores portugueses às terras brasileiras, em 1500. "Cristo é o Rei desta terra de Santa Cruz. Aqui no Brasil, por onde os jesuítas passaram, catequizando índios, os educando na fé", disse.

De acordo com ela, Cristo precisa ser reconhecido como Rei do Brasil não só na vida privada, mas também na vida pública, e afirmou que é necessário um exército do evangelho para combater o aborto, a ideologia de gênero e a legalização das drogas. "É um exército de Cristo Rei. É isso que nós precisamos aqui nesta terra de Santa Cruz, para restaurar a cristandade", explicou.

> Major Olimpio: “Doria é tão pernicioso quanto Lula e o PT”

> Alcolumbre tenta segurar votação da prisão em segunda instância

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!