DEM e PSD acreditam que crise do PSL pode afetar pautas econômicas

Líderes partidários na Câmara  preveem um cenário difícil para a aprovação de projetos de interesse do governo, como as privatizações e a reforma tributária. A crise interna do PSL dificulta que esses temas considerados prioritários pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, comecem a avançar, pelo menos no curto prazo.

>Senadores acreditam que reforma tributária pode ficar para 2020

O Congresso em Foco ouviu os líderes do DEM e do PSD nesta quarta-feira (16), partidos que juntos somam 63 deputados federais. Para o representante da bancada do DEM, Elmar Nascimento (BA), a briga interna no partido do presidente Jair Bolsonaro pode prejudicar as pautas econômicas. Para ele, porém, é preciso cautela para avaliar o impacto do confronto entre as alas pró-Bolsonaro e pró-Luciano Bivar [presidente do partido]. “Tem que esperar a poeira baixar pra saber”, afirmou.

O líder do PSD, André de Paula (PE), afirma que as intrigas do PSL não ajudam nas pautas do governo. Um problema que, na avaliação dele, deve dificultar a pauta das privatizações. O assunto já enfrentava resistência mesmo antes da deflagração da disputa entre Bolsonaro e Bivar.

“Ter o partido do presidente, que é numericamente a segunda bancada da Casa, conflagrado não ajuda, mas não acho que isso possa influenciar na aprovação ou não de matérias como essas. Acho que ninguém que é favorável às privatizações, por exemplo, possa mudar a sua posição em função de brigas partidárias, mas não ajuda em nada e não contribui para agilizar a tramitação”, disse o deputado do PSD.

A crise na sigla do presidente da República foi destacada pelo Congresso em Foco em setembro, quando deputados revelaram ao site que a situação dentro do partido era de racha e possível debandada.

O clima piorou no dia 8 de outubro, quando Bolsonaro disse para um seguidor esquecer da sigla. Desde então, troca de farpas estão acontecendo dos dois lados. Bolsonaro e seus aliados têm sido mais ferrenhos; do outro, o presidente do partido, Luciano Bivar, e deputados que não fazem parte da ala mais bolsonarista.

DEMJair BolsonaroLuciano BivarprivatizaçõesPSDPSLreforma tributária