Davi só vai comentar atos anti-Congresso após reunião com Bolsonaro

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), não vai comentar, por ora, os vídeos compartilhados pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), chamando para os atos contra o Congresso. “Não se manifestou e nem vai se manifestar. Só quando conversar com o presidente e os líderes”, disse o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), ao Congresso em Foco.

O silêncio de Davi Alcolumbre sobre o assunto tem chamado a atenção no Congresso Nacional. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), posicionou-se, mas sem atacar o presidente da República.

As informações deste texto foram publicadas antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

Davi marcou para a próxima terça-feira (3) a análise de vetos presidenciais, inclusive o que pode deixar nas mãos do Congresso mais de R$ 30 bilhões do orçamento para direcionar às bases eleitorais.

O aumento do poder de deputados e senadores na destinação de verbas é uma das principais razões para os atos anti-Congresso marcados para o dia 15. Os mesmos atos divulgados pelo presidente em sua conta pessoal do WhatsApp.

> Entenda o orçamento impositivo, estopim da crise entre governo e Congresso

Este trecho do orçamento de 2020 foi vetado por Jair Bolsonaro, mas precisa ser confirmado pelo Congresso. Por acordo construído entre Executivo e Legislativo, o veto de Bolsonaro seria derrubado, mas R$11 bilhões dos R$ 30 bilhões seriam de poder de ministros.

No entanto, de um lado, o governo acredita ter votos suficientes para manter o veto e derrubar o orçamento impositivo. Do outro lado, se o governo não cumprir o acordo, líderes do Centrão prometem derrubar totalmente o veto e ficar com o controle dos R$ 30 bilhões.

O líder do governo no Congresso disse ao site que é cedo para avaliar o impacto da tensão causada por Bolsonaro nas votações do Poder Legislativo. Para ele, o cenário só deve ser conhecido na próxima segunda-feira (2).

> Congresso jogou panos quentes em nova crise – ao menos por enquanto

> Centrão cobra acordo e sinaliza com derrubada de vetos de Bolsonaro

Eduardo Gomes confirmou a intensificação nas articulações para que Planalto e Congresso confirmem o acordo de meio-termo sobre o orçamento impositivo.

O presidente do Senado desembarca em Brasília no domingo (1º), data em que Rodrigo Maia também estará na capital federal, vindo da Europa. “A partir do momento que ele [Alcolumbre] chegar, a qualquer momento pode ter reunião [com membros do governo]”, disse o líder do governo.

> Reformas vivem incerteza no Congresso após novo atrito com Bolsonaro

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!