Com Bolsonaro investigado, CPI mira negociações de vacinas

Com a autorização do Supremo Tribunal Federal (STF), a Procuradoria-Geral da República (PGR) deve iniciar nesta semana as investigações sobre se o presidente da República, Jair Bolsonaro, cometeu o crime de prevaricação. O inquérito busca apurar suposta omissão diante de denúncias de corrupção na negociação pelo Ministério da Saúde da vacina indiana Covaxin.

Na terça-feira (6), está previsto depoimento à CPI da Covid da servidora do Ministério da Saúde, Regina Célia Silva Oliveira, fiscal do contrato entre União e a empresa Precisa Medicamentos para a compra de 20 milhões de doses do imunizante.

Inicialmente, na quinta-feira (8), a comissão ouviria o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). Bolsonaro indicou envolvimento de Barros em irregularidades na negociação da vacina, segundo disse à CPI o deputado Luis Miranda (DEM-DF). O depoimento de Barros foi adiado, mas o líder tenta no Supremo manter a oitiva para esta quinta.

Na quarta-feira (7), a CPI deve ouvir Roberto Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, exonerado após ser apontado por Luiz Paulo Dominguetti como suposto autor de pedido de propina na negociação da vacina AstraZeneca com a companhia Davati Medical Suply. Na quinta (8), os senadores devem ouvir Francieli Fontana Fantinato, ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI) contra a covid.

Na pauta da CPI desta terça constam ainda requerimentos de convocação de Cristiano Alberto Hossri Carvalho, procurador da Davati, para prestar depoimento à comissão. Ele foi citado pelo representante comercial da empresa, o policial militar Luiz Paulo Dominguetti, em depoimento à comissão na semana passada. Dominguetti foi quem denunciou o suposto pedido de propina pelo então diretor Roberto Dias. Há ainda, entre os requerimentos pautados, pedidos de quebra de sigilo de Cristiano, Dominguetti, e dos deputados Ricardo Barros e Luis Miranda.

> Áudios mostram envolvimento de Bolsonaro em esquema de rachadinhas

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo