Barros rebate Miranda nas redes sociais e cobra justificativa por denúncias

O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) apagou, nesta madrugada (30), publicação na qual contrariava uma entrevista que deu à Revista Crusoé, divulgada na noite de terça (29). À revista, Miranda teria dito que, em reunião com lobista e com o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), recebeu oferta de propina para não atrapalhar o esquema de corrupção no contrato firmado – e agora suspenso – para a compra da vacina indiana Covaxin. Nesta manhã, Barros cobrou o parlamentar por ter apagado o tuíte.

“A Revista Crusoé é responsável por suas matérias e certamente arcará com o que escreve! Não quero ser usado para criar narrativas e volto a afirmar que todas as minhas conversas com Ricardo Barros foram republicanas e não vou me pronunciar sobre fatos que não posso provar!”, escreveu Miranda no Twitter, às 21h52 do dia 29.

Porém, às 8h desta quarta-feira, a publicação já não estava mais no perfil do deputado. Ricardo Barros, que de acordo com Miranda foi citado por Bolsonaro como possível responsável pelas irregularidades nos contratos da Covaxin, cobrou o deputado federal por excluir a postagem. "Publicou, me marcou e apagou! Por que excluiu?", questionou Barros, em três publicações diferentes.

O líder do governo também já havia se posicionado na noite anterior quanto às acusações feitas por Miranda à revista. "Quanto à matéria da Crusoé, conheço Silvio Assis. Estive em sua casa onde encontrei diversas autoridades e parlamentares, inclusive o Luís Miranda. Mas nunca tratei com ele tema relacionado às vacinas. Reitero que não participei de negociação referente a compra da Covaxin", escreveu. Hoje, a CPI da Covid no Senado deve votar a convocação de Barros.

O Congresso em Foco procurou Luis Miranda para entender os motivos para ter excluído a publicação, assim como as declarações dadas à Crusoé. O deputado, no entanto, ainda não retornou as mensagens. O espaço segue aperto para manifestações.

> Miranda diz que recebeu oferta de propina, em reunião com Barros, para não atrapalhar negócio da Covaxin

Governo exonera diretor do Ministério da Saúde que cobrou propina por vacina

Wizard presta depoimento à CPI em meio a turbilhão de denúncias

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo